PUCRS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

acontece

ELEIÇÃO • 26 de outubro de 2016
Diz candidato Sebastião Melo em entrevista transmitida ao vivo pelo Editorial J
Texto: Igor Dreher (2º sem.)
Foto: Annie Castro (6° sem.)

_MG_0478

“Não sou candidato a santo milagroso, mas sim a prefeito”, afirmou Sebastião Melo, candidato da PMDB à prefeitura de Porto Alegre, na tarde de terça-feira (25), em entrevista realizada no prédio 7 da PUCRS, transmitida ao vivo pelo Editorial J, laboratório de jornalismo da Faculdade de Comunicação Social (Famecos). Melo fez a afirmação ao ser questionado pelos alunos sobre o que pretende fazer para melhorar a segurança pública dos porto-alegrenses.

O candidato disse que vai procurar soluções conjuntas com a Brigada Militar e outros setores, pois “segurança pública não é um ato isolado”. Criticou o governo federal que não disponibiliza recursos financeiros para aplicar no combate à violência e foi mais duro com os parlamentares do Congresso Nacional. Reclamando que é preciso fazer uma revisão no Código Penal para tornar mais duras as penas dos criminosos, Melo classificou de “frouxos” os congressistas que não enfrentam essa reforma na legislação.

Na entrevista conduzida pelos estudantes e transmitida ao vivo no Facebook, o candidato da Coligação Abraçando Porto Alegre, liderada pelo PMDB – o outro concorrente Nelson Marchezan Jr. também foi convidado, mas alegou ter compromissos agendados – respondeu ainda perguntas sobre transporte público, ciclovias, saúde, orçamento participativo, educação, finanças municipais e população em situação de vulnerabilidade social.

Questionado sobre a ampliação do programa de agendamento de consultas médicas por telefone, Melo comentou que “não adianta marcar por telefone se não tem médico nas unidades básicas de saúde”. E completou: “Os médicos brasileiros não querem trabalhar nas vilas, então, vou manter o programa Mais Médicos” (de contratação de profissionais cubanos).

A entrevista completa de mais de uma hora com Sebastião Melo pode ser acompanhada pela página do Editorial J no Facebook, e continua disponível para visualizações.

Recomendadas
Comentários

Os comentários estão desativados.