Abertura do Fórum da Liberdade é marcada por críticas a Dilma Rousseff

Com a estreia do governador Tarso Genro e a presença de um dos maiores opositores ao atual governo federal, o 27º Fórum da Liberdade começou na noite de segunda-feira, em Porto Alegre, com clara conotação política. Enquanto o senador e presidente do PSDB, Aécio Neves, disparou contra a gestão Dilma Rousseff, Tarso elogiou o aspecto democrático do evento.

No discurso de meia hora do pré-candidato tucano, não faltaram alfinetadas ao atual governo. “Tudo o que não há no Brasil é gestão”, declarou Aécio, que também falou nos recentes escândalos da Petrobras e na sua luta para abrir uma CPI que investigue a empresa e o caso da compra da refinaria em Pasadena (EUA).

Ele defendeu também a reforma tributária, as privatizações, o livre comércio, menos intervenções do Estado, as condenações por crimes hediondos a maiores de 16 anos e o fim do Mercosul. Aplaudido de pé pela maioria dos participantes no final de sua palestra, o senador saiu confiante do palco, sem se deixar abalar pela provocação de um estudante, que gritava “E a cocaína, Aécio?”, em referência ao episódio do helicóptero apreendido com 450kg da droga.

Pela primeira vez, o evento contou com a presença do governador Tarso, que foi reconhecido pela plateia ao dar crédito ao ciclo de debates, apesar de discordar de alguns pontos. “Sejam qual forem as ideias que forem colocadas, é um evento importante. É saudável e é democrático”, afirmou. Durante as críticas em relação a atuação estatal, o governador permaneceu de cabeça baixa e não acompanhou as palmas da plateia.

A programação, que começou com pouco mais de 20 minutos de atraso, teve palestras de Eduardo Sirotsky, Patrice Etlin e também do ex-primeiro ministro da Irlanda, John Bruton, que fez a economia do seu país chegar a picos de 11% de crescimento durante sua gestão. “Não tenho problemas com a cobrança de impostos”, disse ele. “Mas o façam simples e fácil de pagar”. Também foi dado o prêmio de liberdade de imprensa ao presidente da Fundação e Jornal La Nación, Julio Saguier.

O evento, que ocorreu, no prédio 41 da PUCRS, acontece anualmente desde 1988 e tem como objetivo discutir soluções para os problemas econômicos enfrentados pelo país. Com uma visão neoliberal sobre essas questões, os participantes receberam um exemplar do livro Construindo soluções, que foi escrito em conjunto por diversos autores. O fórum que se encerra hoje, ainda tem palestras com temas como livre mercado e finanças públicas. Os valores variam de R$ 50 a R $450 e as inscrições podem ser feitas no site.

Texto: Pedro Pacheco (3º semestre)
Foto: Yanlin Costa (2º semestre)