Aeroporto Salgado Filho deve ganhar novo sistema de pouso em dois meses

O sistema de pouso ILS categoria II (ILS cat II) do Aeroporto Salgado Filho deve estar pronto em até dois meses. A informação é da assessoria de imprensa da Infraero Superintendência Regional do Sul. O aeroporto, que já possui o ILS categoria I (ILS cat I), está em fase de obras e, depois deste período, haverá uma fase de testes.

Com este equipamento, mais pousos poderão ser realizados no aeroporto mesmo com o mau tempo, segundo o diretor da faculdade de Ciências Aeronáuticas da PUCRS, Elones Fernando Ribeiro. “Se o aeroporto Salgado Filho tivesse o ILS cat II, não ficaria tanto tempo fechado”, destaca. “Com este equipamento, o piloto consegue se guiar no meio de uma tempestade”, completa.

No entanto, o professor ressalta que o processo de implementação é demorado. “Não adianta montar o equipamento ILS e não aumentar a pista, colocar sinalização e realizar outras obras”, explica. “Assim não se aproveita todo o potencial”, complementa. A obra atenderá os turistas que virão à cidade no mês de junho para a Copa do Mundo. Neste mês, como há bastante neblina em Porto Alegre, muitos vôos são cancelados, segundo o professor.

O Editorial J fez um levantamento com os principais aeroportos das 12 cidades-sede da Copa do Mundo. Dentre os 15 analisados, apenas três possuem o ILS cat II – o Aeroporto Internacional de Curitiba, o de São Paulo (Guarulhos) e o do Rio de Janeiro (Galeão). No mapa abaixo, pode-se conferir o sistema de pouso de cada um dos aeroportos clicando no ponto.

O significado da sigla em inglês ILS é Sistema de Pouso por Instrumentos. Os três princípios básicos do sistema são guiagem, distância e localização. Ele é composto por dois transmissores de terra (antenas que ficam na pista) e um receptor de bordo, que fica no avião.

O traço pontilhado indica a posição ideal para o pouso.
Imagine que você é um piloto e que está aterrissando o seu avião. O tempo está fechado, e você não possui uma boa visualização. Assim, através do instrumento receptor de bordo (foto ao lado), você pode saber se está alinhado no centro da pista e se está a distância certa do chão. A linha vertical mostra um dos transmissores de terra, o Localizer – e, dependendo da posição dela, você sabe se está alinhado ou não. A linha horizontal mostra o outro transmissor, o Glideslope, que indica se você está muito alto ou muito baixo em relação ao chão.

Mas qual é, afinal, a vantagem do ILS cat II? De acordo com Elones Ribeiro, ele possui equipamentos mais precisos. Na categoria I, o pouso não pode ser realizado se o teto (distância entre a nuvem e o chão) for inferior a 60,9m, enquanto na categoria II ele só não pode ser realizado se for inferior a 30,4m. Assim também acontece com a visibilidade: na categoria I, ela não pode ser menor do que 800m, e na categoria II só não pode ser menor do que 400m.

“Entre os sistemas de pouso por terra, o sistema ILS é o mais moderno”, explica Ribeiro. Quanto maior a categoria (existe o ILS cat III), mais precisão. Sistemas como o VOR, DME, LLZ e NDB, usados em alguns dos aeroportos catalogados pelo Editorial J, são mais limitados.

Texto: Bibiana Meneghini Dihl (7º semestre)

Foto: Wikipedia Commons