Agência de jornalismo independente busca alternativas de financiamento

Erguendo a bandeira do jornalismo independente a Agência Pública de Jornalismo Investigativo financia, desde 2011, projetos de reportagem pautados pelo interesse público. Alguns desses projetos receberam bolsas de 4 mil reais para quatro jornalistas escolhidos por concurso, conhecido como Microbolsas, porém no ano de 2013 a Pública resolveu buscar financiamento em outra fonte, além dos patrocinadores usuais.

O grupo lançou seu primeiro projeto de crowdfunding – maneira de captar recursos financeiros para fins diversos usando recursos doados pela população, no site Catarse. O projeto se chama Reportagem Pública e substitui o Microbolsas. A mudança busca aprimorar o concurso, permitindo que agora as pessoas possam eleger a pauta a ser investigada. “Com esse método, nós abrimos nosso conselho editorial, deixamos na mão do público decidir o que deve ou não ser investigado”, explica a jornalista e diretora da Agência, Natalia Viana. Além disso, o projeto visa doar muito mais: “Nós queríamos chamar mais pessoas para trabalhar conosco, então estamos levantando mais dinheiro para doar. Com o novo modelo de concurso, vamos poder doar dez bolsas de R$ 6 mil para os jornalistas que eleitos pelo público.”

As mudanças nos métodos de arrecadação do concurso e o recente anúncio da financiadora Open Society — um dos patrocinadores da Pública — de que faria mudanças em seus meios de atuação na América Latina, geraram boatos de que a Agência havia perdido apoio. Natalia afirma que não é esse o caso. “A Open Society só está fazendo uma reestruturação. A Pública continua com o financiamento”, explica. Ela frisa que o valor acumulado no Catarse nada tem a ver com as demais finanças da Agência:

— Acho importante afirmar que o dinheiro do crowdfunding não fica conosco. O dinheiro levantado, que no total são 60 mil reais, vai ser doado para jornalistas. Além disso, só há o custo de um editor que vai estar sobre nossa coordenação e vai estar dedicado só a este projeto, e de um fact checker. Isso – a busca do financiamento via crowdfunding — faz parte da nossa estratégia.

Outro fator que reforçou o boato de que a organização havia perdido seu financiador foi a parceria com a Omidyar Network, outra organização de financiamento à mídia independente. Natalia corrige as suposições novamente: “Nós (a Agência Pública) buscamos a Omidyar por ela querer justamente patrocinar iniciativas que envolvam mais o publico”, o que é o caso do concurso lançado no Catarse pelo grupo, para o qual a Omidyar irá doar o equivalente ao valor arrecado, dobrando os lucros do projeto.

Texto: Nicole Loss (semestre 2°)
Imagem: reprodução/Catarse