Editorial J é homenageado com 33º Prêmio Direitos Humanos

Trabalho de estudantes do Editorial J é premiado nesta edição do Prêmio Direitos Humanos em Jornalismo

  • Por: Sofia Lungui (2º sem.) | 14/12/2016 | 0
Professores Fábio Canatta e Juan Domingues | Foto: Movimento de Justiça e Direitos Humanos - RS
Professores Fábio Canatta e Juan Domingues | Foto: Movimento de Justiça e Direitos Humanos – RS

A Agência J de Reportagem do Editorial J ganhou destaque no Prêmio Direitos Humanos em Jornalismo deste ano, do Movimento de Justiça e Direitos Humanos no Rio Grande do Sul. Levaram o primeiro lugar na categoria universitária os alunos da Famecos Vinícius Spengler, Camila Lara e o cinegrafista Gilson Crippa Junior, por um documentário produzido para o Editorial J (Jango: Quando o coração é maior que o peito). Além disso, a Agência J de Reportagem, fundada no primeiro semestre deste ano, foi homenageada, em função de seu compromisso com os temas ligados aos direitos humanos. Os coordenadores da agência, Fábio Canatta e Juan Domingues, também foram premiados na cerimônia. O evento ocorreu na noite de segunda-feira (12/12), na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RS).

O coordenador do curso de Jornalismo da Famecos, Fábian Chelkanoff, ressaltou os avanços trazidos pela mudança de currículo do curso. No primeiro semestre de 2016 entrou em vigor o novo currículo do curso, sendo que o anterior perdurou por 12 anos. “Ouvir dos alunos que a coisa está melhor é muito bom. Ver os professores empenhados em fazer acontecer anima muito. Ouvir do mercado que o curso está no caminho certo é reconfortante, para dizer o mínimo. E receber prêmios é reconhecimento”, sintetizou o professor.

Em março deste ano, o presidente e fundador do Movimento de Justiça e Direitos Humanos/RS, Jair Krischke, visitou a Agência J e conversou com os alunos que colocaram em prática o projeto, acompanhando as atividades da agência durante todo o ano. “Uma experiência mais íntima com histórias de vida que representam a violação dos direitos mais básicos do homem é, sem dúvida, transformadora. Uma rotina que coloca o aluno – como repórter – na rua, o coloca diante de um universo muitas vezes desconhecido”, explicou Fábio Canatta. Os estudantes da Famecos produzem reportagens focadas em direitos humanos, que são enviadas semanalmente para os mais de 90 assinantes da newsletter. É possível assiná-la através do site do Editorial J. “Se não fossem os alunos, a gente não teria conquistado nada. O prêmio é um reconhecimento da proposta de trabalhar com um tema tão delicado e importante, e ao mesmo tempo menosprezado pela mídia tradicional”, destacou o professor Juan Domingues.

A produção do documentário de Vinícius Spengler e Camila Lara, estudantes da Famecos, foi orientada pelos professores Ivone Maria Cassol, Marco Antonio Villalobos, Fábio Canatta e Silvio Barbizan. O trabalho dos alunos foi classificado em primeiro lugar na categoria universitária. “O Prêmio Direitos Humanos, para mim, representa uma das características mais importantes do jornalismo: o papel social da nossa profissão. É essencial termos sensibilidade com as histórias e ajudar a sociedade a refletir sobre os problemas enfrentados”, avaliou Vinícius Spengler, do 4º  semestre.