Campanha dos Correios incentiva a adoção de cartinhas

Elas são diferentes, coloridas, pequenas, grandes, desenhadas, com colagens, mas todas têm algo em comum: pedidos para o bom velhinho. Espalhadas em cima de mesas no subsolo do Memorial do Rio Grande do Sul, no centro da Capital, as cartinhas ficam a espera de que alguém as adote e realize o sonho de uma criança. Este é o cenário de onde acontece a Campanha Papai Noel dos Correios, que está em sua 26ª edição e começou esta semana em Porto Alegre.

No ano passado, das quase 50 mil cartas recebidas, cerca de 27 mil tiveram seus pedidos atendidos, contou Ricardo Del Mauro, que é o Papai Noel da Campanha pelo segundo ano consecutivo. Os pedidos são variados, mas quem figura em muitas cartinhas é a bicicleta. A professora municipal Neuza Maria Pereira participa todo ano da campanha e explicou a manobra que faz para não ter de comprar várias bicicletas: “Dependendo da idade da criança, a gente pode colocar outra coisa (no lugar da bicicleta). Hoje peguei duas cartas, uma que pede materiais escolares, que eu faço um kit, e outra de uma mãe que pede uma boneca para a filha e fraldas do tamanho grande”.

Carteiro há mais de trinta anos e voluntário no projeto há onze, Paulo Fernando Riva ainda se emociona com algumas linhas escritas pelas crianças carentes. Ponderou que as cartas que pedem aquilo que não se pode dar, não ficam a disposição do público, mas que sensibilizam a equipe que faz a leitura: “Li uma hoje que a menina pedia uma segunda chance para a mãe, que sofre de câncer… outra pedia um rancho para a avó, que mora sozinha”, desabafou com os olhos brilhando.

Para participar, os interessados devem ir até o espaço cultural dos Correios, que fica na Rua Sete de Setembro, número 1020, de segunda à sexta, das 9h às 17h30min e aos sábados das 9h às 12h. “Estas cartas são todas cadastradas e numeradas, a pessoa escolhe, compra o presente e escreve o número da carta no pacote”, informou um dos coordenadores do projeto, César Augusto Carneiro.

As entregas dos presentes serão feitas a partir do dia 3, no Armazém do Cais do Porto. Os pacotes são então recebidos pelos Correios, que identificam o pedido pelo número e a entrega é então realizada no endereço correspondente. As cartas podem ser apadrinhadas até o dia 22 de dezembro, no Memorial do Rio Grande do Sul.

Confira, em vídeo, o depoimento de algumas pessoas que já apadrinharam as suas cartinhas:

Texto e vídeo: Raquel Saliba (7º semestre)
Foto: Eduardo Bertuol (7º semestre)