Cavalete eleitoral ajuda ou atrapalha campanha?

Com a aproximação da data das eleições de 5 de outubro, aumentaram consideravelmente, junto às ruas e canteiros de Porto Alegre, os cavaletes com a exibição dos candidatos. O número de cavaletes cresceu tanto que fica difícil prestar a atenção. Para se sobressair entre tantos rostos sorridentes, candidatos também aumentaram a altura e o tamanho dos cavaletes.

O que pensa o eleitor porto-alegrense sobre o uso deste instrumento de campanha? A equipe do Editorial J foi às ruas da cidade para ouvir a opinião de quem transita entre eles diariamente.

A enquete feita mostra que a maioria dos ouvidos não gosta dessa publicidade política, e que, segundo os entrevistados, só serve para sujar a cidade. “Eles [os cavaletes] só atrapalham o ambiente da cidade”, disse Jeferson da Silva, enquanto apontava para os objetos expostos (muitos caídos ou danificados) no canteiro do cruzamento da rua Silva Só com a avenida Ipiranga.

Mas nem todos pensam da mesma forma. Para o advogado Rogério Hermann, os cavaletes “ajudam na decisão dos candidatos, pois geram a rápida visualização do número de inscrição e da sigla partidária.”

A enquete constatou também a preferência pelos debates na televisão e rádio como os principais meios de informação que ajudam na hora de decidir em que candidato votar.

Texto: Vitor Laitano (2º semestre)
Foto: Frederico Martins (4º semestre)