Chuva provoca pouco estrago na estrutura da Feira do Livro

O grande volume de chuva, acompanhada de vento, raios e granizo, que atingiu Porto Alegre e Região Metropolitana na quinta e na sexta-feira (16 e 17/10) trouxe muitos estragos para moradores destas áreas. Na Capital, telhados e janelas foram danificados e muitas ruas alagaram. No Centro-Histórico, as pedras de granizo da madrugada de quinta também destruíram parte da estrutura da Feira do Livro que está sendo montada, em frente ao Memorial do Rio Grande do Sul, na Praça da Alfândega. Mesmo com os danos, os prejuízos não foram sérios, disse o responsável pela montagem da infraestrutura, engenheiro Eduardo Bergallo.

A 61ª edição da Feria do Livro começa no dia 31 de outubro e segue até 16 de novembro, na Praça da Alfândega. Além de oferecer obras de todos os gêneros em todas as bancas, ainda são oferecidas palestras gratuitas para o público.

O engenheiro Bergallo salienta que os danos foram mínimos perto do que poderia ter acontecido. “Temos 8 mil m² de lonas em toda a estrutura da Feira. No fim não foi nada sério”, explicou diante das estruturas que desabaram em função do vento, chuva forte e granizo. O material danificado será substituído, assim que for possível.

Texto: Bruna Ayres (6º semestre)
Foto: Frederico Martins (6º semestre)