Custos de produção fazem jornal “O Sul” abandonar formato impresso

  • Por: Filipe Castilhos (6º semestre) | 14/04/2015 | 0

Surpresa foi a palavra mais usada por funcionários, leitores, dirigentes de entidades representativas da área da comunicação para caracterizar a inesperada notícia de que o jornal “O Sul” não mais circula no seu formato impresso. Na quarta (8 de abril), um dia após o Dia do Jornalista, “O Sul” anunciou que, a partir de 9 de abril, o periódico não seria mais encontrado nas bancas e, sim, apenas na sua versão on-line. A decisão foi anunciada pelo Grupo Pampa na primeira página da edição de 8 de abril.

A direção alegou que “a disparada na cotação do dólar fez com que os custos industriais do jornal aumentassem vertiginosamente (papel, tinta e demais insumos)”. É citado também que a receita publicitária não cresceu junto com os custos. A empresa acredita que não perderá público, já que 97% dos leitores possuem meios de acesso à internet (celular, tablet, notebook e computador), de acordo com pesquisa do Instituto Ipsos Marplan. O anúncio da mudança não se refere à possibilidade de demissão de pessoal.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, Milton Simas, disse que foi pego de surpresa com a notícia na quarta-feira. Ele lamentou a decisão da empresa, ainda mais baseando-se no argumento da cotação do dólar, que vem sendo usado desde o ano passado para justificar demissões e cortes de gastos. Simas informou que o Grupo Pampa garantiu que não haverá cortes no setor editorial, mas a operação logística – que fazia a distribuição e venda do impresso – perde funcionários. Quanto ao parque gráfico, o presidente do sindicato relatou ter sido informado que o este continua imprimindo publicações de terceiros.

Na redação do jornal, a incerteza se estabeleceu, relatou a jornalista e delegada sindical, Laura Santos Rocha. Os funcionários do parque gráfico e da área de distribuição foram afastados por um mês na tentativa de terceirizar o espaço para impressão de outros trabalhos. A direção da empresa comunicou em mensagem verbal à redação que lá “tudo continua igual”, disse a delegada sindical.
Laura declarou também que, na terça-feira à noite, quando os funcionários da gráfica foram notificados da dispensa, foi necessário chamar policiamento e seguranças, depois de um princípio de tumulto. Na manhã de quarta, a Polícia Militar ainda estava em frente ao prédio, além de seguranças particulares nas dependências da empresa.
Com uma proposta popular que depois foi alterada, “O Sul” começou a circular em 2 de julho de 2001 como o primeiro jornal diário totalmente colorido do Rio Grande do Sul. Ficou conhecido também por apresentar uma edição dominical impressa no domingo, contrariando outros periódicos do Estado que costumam colocar na rua essa edição ainda no sábado.