Defensores do Queermuseu são ameaçados na rede

Depois de se manifestarem a favor da exposição Queermuseu, figuras como Manuela D'ávila e Luciana Genro são ameaçadas na internet

  • Por: Julia Marin (2º semestre) | 19/09/2017 | 0

Desde o cancelamento da exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira pelo Santander Cultural em Porto Alegre no dia 10 de setembro, muitas manifestações defendendo a mostra começaram a povoar espaços públicos. Entre elas, as de autoria da deputada estadual Manuela D’ávila, que publicou um vídeo em sua página do Facebook, e da ex-deputada Luciana Genro, que também se manifestou nas redes sociais. Logo após as publicações, as duas passaram a receber críticas e ameaças, que se estenderam a assessores e pessoas próximas.

Manuela participou do Ato em Defesa da Liberdade Artística e de Expressão no último dia 11 em Porto Alegre na frente do Santander Cultural, acompanhada de seu assessor de imprensa. Depois do evento, Lucas Maróstica conta que ele e a deputada começaram a receber comentários agressivos pelas redes sociais, inclusive de forma privada. No aplicativo WhatsApp, Lucas foi adicionado a grupos nos quais ficava recebendo mensagens que continham ameaças, inclusive de morte. Ele pretende realizar um boletim de ocorrência assim que autenticar o conteúdo das mensagens em cartório. Manuela, que também recebeu intimidações, já se reuniu com seus advogados para tratar do caso.

Luciana fez um post em sua página do Facebook expondo os usuários que publicaram comentários contra ela. “Não vou tolerar calada este tipo de ameaça, inclusive ameaça física. Os agressores serão devidamente expostos e denunciados e processados por danos morais. Vão sentir no bolso o preço de incitar a violência e caluniar.”, diz a publicação. A assessoria de imprensa da ex-deputada disse que “As ações estão sendo elaboradas contra todas as pessoas que promoveram ataques pessoais e fizeram ameaças à Luciana nas redes sociais.”

Publicação de Luciana Genro em sua página do Facebook
Publicação de Luciana Genro em sua página do Facebook

Cometário de ataque a ex-deputada

luciana cap 3

Cometários de ataque a ex-deputada
Cometários de ataque a ex-deputada

A mostra Queermuseu entrou em cartaz no dia 15 de agosto e tinha previsão de estar exposta até o dia oito de outubro. O motivo da interrupção teria sido a reação violenta de integrantes do grupo Movimento Brasil Livre (MBL) que enxergavam na exibição temas como pornografia, zoofilia e pedofilia. O vídeo feito por Manuela d’ávila, publicado na última quinta-feira, traz o promotor Júlio Almeida explicando se esses assuntos se encaixam nas obras da exposição, além de debater a diferença entre apologia e representação.