Dia do Desafio na PUCRS

Desafio, mas com saúde

Entenda como o Dia do Desafio promove a saída do sedentarismo, sem excessos

  • Por: Daniela Flores (5º semestre) | Foto: Carolina Zanette (1º semestre) | 30/05/2019 | 0

O dia 29 de maio de 2019 marcou a segunda ocasião em que o Parque Esportivo da PUCRS adotou a proposta do Dia do Desafio – data instituída para estimular as pessoas a praticarem exercícios físicos.

Originalmente, o Dia do Desafio foi criado nos anos 80, no Canadá. Com o passar dos anos, a intenção se espalhou pelo mundo. Atualmente, é uma iniciativa apoiada pela International Sport and Culture Association (ISCA), e promovida pela Unesco e The Association for International Sport for All (Tafisa).

No Brasil, ocorreu primeiro em São Paulo, em 1995, em parceria com Tafisa. Durante a quarta-feira (29), aconteceu a Maratona na Esteira, das 6h da manhã até às 10h45min. A ideia é que o equipamento não pare, sendo contabilizado o tempo de todos que passaram pelo aparelho, e é preciso trabalhar em grupo para mantê-lo em constante movimento. Para os praticantes da natação, a proposta é a ocupação da Raia do Desafio.

Fernanda Albanus, auxiliar de comunicação e marketing do Parque Esportivo, 19 anos, diz que “os professores estão com uma planilha para saber a quilometragem que eles (os alunos) fizeram hoje, tanto na natação quanto na esteira. Após o dia, isso será divulgado no nosso mural”. A ideia é servir como um incentivo a mais para os esportistas. “Eu espero que a partir das anotações e das quilometragens, no ano que vem, possamos ter como referência uma meta e bater a deste ano”, ressalta Fernanda. Não há idade mínima ou máxima para participar. Na piscina desportiva, há a presença de idosos e crianças, simultaneamente.

Por mais que o estímulo seja o chamado “desafio”, eles alertam para os possíveis perigos de se exceder o próprio limites. O ideal é buscar se superar, mas nunca de forma nociva. “Estilo de vida saudável é uma coisa, e procurar apenas estética corporal é outra coisa. Às vezes, estes objetivos voltados para performances exigem alguns sacrifícios que não podemos denominar como saudáveis”, declara Ignaldo Rosa, coordenador da Escola de Natação. “Sempre orientamos os alunos a adequar a prática numa rotina correta. Claro que nem sempre somos ouvidos”, afirma o coordenador. “É necessário um bom planejamento”.