Eleições brasileiras ocupam noticiário internacional

Mais importantes veículos de comunicação do mundo acompanham a votação no Brasil

  • Por: Luísa Soares (6º semestre) e Ritieli Moura (5º semestre) | Foto: Juliana Kozoski | 28/10/2018 | 0

No dia em que os brasileiros vão às urnas para decidir o futuro do país, 28 de outubro, a imprensa internacional volta os seus olhos para o Brasil. A eleição presidencial é assunto em diversos veículos de comunicação do mundo. Confira os principais destaques de jornais de cinco países:

The New York Times (Estados Unidos)

O jornal americano afirma que Bolsonaro poderia ter vencido a disputa presidencial ainda no primeiro turno, com 46% dos votos. Segundo o NYT, a facada em que o candidato do PSL sofreu em setembro aumentou a sua popularidade e o apelo para votarem nele. Ainda segundo o jornal, o slogan da campanha petista “Haddad é Lula” falhou e não conseguiu conquistar a base de pessoas que votavam no ex-presidente Lula.

The Washington Post (Estados Unidos)

O jornal The Washington Post apresentou o candidato do PSL e alguns pontos de um possível governo de Bolsonaro, como democracia, políticas econômicas, crime e segurança e meio ambiente. The Post ainda fala sobre as frases do ex-militar ofendendo mulheres, gays e negros e as denúncias contra ele feitas pela cantora Madonna e pelo ex-presidente do Brasil Fernando Henrique Cardoso.

Chicago Tribune (Estados Unidos)

O Chicago Tribune pontuou o sentimento de esperança do candidato Fernando Haddad (PT) em ganhar as eleições, apesar das intenções de voto demonstradas em pesquisas anteriores, em que Jair Bolsonaro apresentou percentual de 54% contra 46% de Haddad. Entretanto, o jornal ressalta que a diferença entre os adversários diminuiu de 10% para 8%. O veículo americano comentou a escolha de voto em Haddad do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, que disse em seu Twitter que o candidato “inspira medo” e do ex-procurador geral da República, Rodrigo Janot, que apresentou duas denúncias contra Michel Temer no ano passado, além do youtuber Felipe Neto. Tribune afirma ainda que o candidato do PSL conquistou popularidade, pois “pintou um Brasil em guerra” e fez promessas de mudar e limpar o governo.

The Guardian (Inglaterra)

No início do dia, o jornal ressaltou que a diferença das intenções de voto entre Haddad e Bolsonaro havia diminuído nas últimas pesquisas. O veículo comentou também a respeito de Ciro Gomes não ter declarado apoio ao candidato petista, e destacou que, em contrapartida, ele recebeu declaração de votos inesperados, como do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot e do youtuber Felipe Neto. Em uma de suas publicações, o The Guardian trouxe ainda um panorama sobre a escolha dos eleitores, mostrando que muitos votam em Bolsonaro por estarem cansados do atual cenário político e outros escolhem Haddad por medo que o candidato do PSL seja eleito.

Le Mondé (França)

O jornal apresentou um breve perfil dos dois candidatos à presidência. Na publicação, o veículo colocou fatos sobre a carreira política dos presidenciáveis, mostrando pontos do plano de cada um para o Brasil, como políticas públicas para os mais pobres e segurança.

El País (Espanha)

O El País, além de expor a opinião dos eleitores a respeito dos candidatos, relatou a desconfiança de Bolsonaro e seus eleitores sobre as urnas eletrônicas. Ainda na mesma publicação, o jornal comentou o temor de uma possível fraude envolvendo o candidato do PSL, e a grande mobilização dos apoiadores de Fernando Haddad para conquistar votos principalmente de eleitores indecisos.

El Clarin (Argentina)

O Clarín classificou a “eleição como histórica”, dizendo que Bolsonaro “fala em vitória enquanto Haddad não se rende”. O jornal argentino se referiu ainda ao momento em que os presidenciáveis votaram e informou que até o momento da publicação da notícia não havia ocorrido grandes incidentes nos locais de votação e também.