Em Porto Alegre, ato Por Todas Elas protesta contra a cultura do estupro

Manifestantes propõem ampliar o debate contra o sexismo na nossa sociedade durante a tarde em Porto Alegre

  • Por: Alícia Porto (3º sem.) | Foto: Alícia Porto (3º sem.) e Mia Sodré (1º sem.) | 02/06/2016 | 0
DSC_0066
Foto: Alícia Porto (3º sem.)

Uma manifestação repudiando a cultura do estupro ocorreu em Porto Alegre no final da tarde do dia 1º de junho. O evento, denominado “Por Todas Elas”, foi uma mobilização organizada em mais de cinquenta cidades diferentes no país. A mobilização foi desencadeada pelo caso que ocorreu no Rio de Janeiro em que 33 homens estupraram uma menina de 16 anos. Na capital gaúcha, tomou lugar na Esquina Democrática e seguiu em direção à Praça da Matriz, parando na frente do Palácio do Piratini.

Na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a Comunidade UFRGS Contra o Golpe, que organizava um ciclo de atividades durante todo o dia, por volta das cinco horas também convocou os presentes ao ato. Os interessados se juntaram e foram em caminhada à manifestação.

O evento iniciou com diversas falas e o espaço foi aberto para quem se inscrevesse, incluindo a da vereadora Fernanda Melchionna (PSOL) e militantes feministas. Dentro de uma hora e meia depois as falas foram interrompidas por um protesto simbólico de um grupo de meninas.

O grupo formou um círculo no meio do protesto onde foi colocado um boneco que, com cabos de vassouras, foi atingido 33 vezes, fazendo referencia a violência sexual sofrida pela adolescente, enquanto o público contava os golpes em voz alta. Após isso, o boneco foi queimado e um manifesto contra a cultura do estupro foi lido por uma participante.

_MG_2019
Foto: Mia Sodré (1º sem.)

A manifestação contou com o envolvimento de diversos coletivos e pautas variadas, sendo as mais presentes a luta contra a cultura do estupro e contra o machismo. “As mulheres na rua deram mais uma vez o recado, não aceitaremos que uma sociedade machista e misógina faça mais uma de nós vítima, estamos cada vez mais juntas, encontrando umas nas outras a força necessária para seguir lutando”, declarou Thaís Berg que faz parte da União da Juventude Socialista feminista. O evento também contou com a participação de alguns homens, embora as mulheres estivessem em bem maior número.

O evento se encerrou por volta das 19h30 em frente ao Palácio Piratini. Ainda estão previstas, para os próximos dias, manifestações “Por Todas Elas” em outras cidades do Rio Grande do Sul, como na cidade de Pelotas, em Santa Maria e em Caxias do Sul.