Especialista recomenda combinação de livros digitais e impressos para crianças

Com a chegada ao mercado dos livros digitais infantis, surge a oportunidade de substituir a compra de obras impressas pelas eletrônicas. Entretanto, a pedagoga Helena Sporleder Côrtes, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), recomenda que as crianças tenham contato tanto com os livros físicos quanto com os digitais.

“O uso do papel se desmembra e facilita na fase de zero a três anos. Já no digital, é possível se apropriar de mais sentidos, criando atividades mais lúdicas”, explica Helena. O grande desafio para pais e educadores é despertar o interesse pela leitura, utilizando-se de todas as plataformas. “As crianças devem gostar de aprender, independente do suporte,” afirma a pedagoga.

Para isso, a definição de políticas públicas, com a ampliação de recursos e foco na capacitação de professores, se torna indispensável. “A literatura sempre foi importante e sempre será no processo educacional. O conteúdo deve ser colocado em primeiro lugar, e não o suporte”, reafirma Helena. Outro aspecto a ser levado em conta, segundo a especialista, é a formação dos professores, que devem ser preparados para introduzir corretamente o livro digital às crianças: “Grande parte das crianças está alijada dessas plataformas. O governo investe na distribuição de ferramentas, mas não na capacitação de profissionais”, reclama a pedagoga.

Expansão do setor no Brasil possibilita diversidade de títulos

Em 2007, a Amazon apresentou um aparelho que iria revolucionar o mercado literário, o leitor digital de livros  Kindle. Desde então o segmento de e-books vem crescendo e a empresa líder mundial em venda de livros anunciou em maio de 2011 que o comércio de livros digitais havia ultrapassado os livros impressos, se tornando o formato mais popular em sua loja eletrônica. Em 2012, de acordo com a publicação Digital book world, a Associação Americana de Editores divulgou os últimos números relacionados às vendas de e-books infantis nos Estados Unidos, no qual apareceu o impressionante crescimento de 252% do setor, em comparação a 2011.

Editora Moderna, empresa nacional atuante no mercado literário desde 1968, lançou no primeiro semestre de 2012 diversos títulos infantis em formato digital, subdivididos em: “E-pub”, “E-pub fixo” e “livros animados”. A primeira categoria permite que no tablet o leitor aumente a fonte e faça algumas marcações no texto, a segunda possibilita apenas a leitura sem esses outros recursos, e a terceira possibilita interações da criança com o livro, como por exemplo, imagens que se movimentam e até mesmo narração do próprio autor.

Assista abaixo a um vídeo de divulgação dos novos livros eletrônicos, produzido pela editora Moderna:

Conforme a assessoria de comunicação da editora, os valores dos livros animados variam de US$10,99 a US$13,99, e os preços são fixados em dólar por serem vendidos na loja da Apple (Ibook). Já os outros e-books variam de R$15,00 a R$48,90. Opções como Por enquanto eu sou pequeno, de Pedro Bandeira, Romeu e Julieta – Série Vou Te Contar!, de Ruth Rocha, e O Grande Rabanete, de Tatiana Belinky, já faziam sucesso em forma de livro físico e, agora, finalmente chegam às plataformas digitais. É interessante perceber que é oferecida pela empresa a oferta do livro digital e do impresso, possibilitando que o leitor decida qual a melhor opção conforme seu interesse.

Livraria Cultura, com sede em São Paulo e loja em Porto Alegre, fechou uma parceria em setembro de 2012 com a Kobo, uma empresa canadense concorrente da Amazon, tornando-se dentre as empresas nacionais a líder nesse segmento. A empresa oferece tanto o e-reader (aparelho para leitura dos livros) quanto o comércio de livros digitais. No site da Kobo, na seção infantil de língua portuguesa, há preços razoáveis, como Valores e virtudes: sorrir e acreditar, de Madalena P. Duarte & Spada Ana C.C.B., por R$ 4,90, e A Reforma da natureza, de Monteiro Lobato, por R$ 10,40. Dentre as outras livrarias nacionais, ainda podemos citar a Saraiva, com preços atraentes, principalmente no setor infantil – Chapeuzinho vermelho, O Mágico de Oz, João e Maria, entre outras obras, estão com preços a partir de R$ 1,00.

A Amazon, por sua vez, lançou sua página em português em dezembro de 2012, tornando-se uma grande concorrente das livrarias nacionais. Ao pesquisar a palavra-chave “infantil” em seu site, ou clicar diretamente na seção infanto-juvenil, há diversas opções de livros, tanto em língua portuguesa quanto inglesa, com destaque para Os Haicais do Menino Maluquinho do mineiro Ziraldo como e-book grátis, Clássicos TodoLivro: A Galinha dos ovos de ouro” e A Cigarra e a Formiga por R$ 0,76, Fábulas de La Fontaine por R$ 06,05 e Caçadas do Pedrinho do paulista Monteiro Lobato, por R$ 10,40.

Texto: Bárbara Nóbrega (1º semestre) e Rafael Ramos (3º semestre)
Fotos: Kátia Almeida (2º semestre)