Hemocentro do Estado espera receber doações de sangue mesmo com a greve geral

Paralisação que ocorre nesta sexta, 14 de junho, coincide com o dia Mundial do Doador de Sangue, podendo afetar a ação de voluntários

  • Por: Nikolas Mondadori (1º semestre) | Foto: Frederico Martins/ arquivo J | 13/06/2019 | 0

Apesar da mobilização, nesta sexta-feira (14), de lideranças sindicais, de partidos políticos e de entidades estudantis em favor da greve geral contra a Reforma da Previdência que tramita no Congresso Nacional, o Hemocentro do Estado do Rio Grande do Sul (Hemorgs) espera receber muitos voluntários no dia Mundial do Doador de Sangue. A greve pode afetar o funcionamento dos serviços de transporte coletivo, de estabelecimentos comerciais de de bancos, mas o Hemocentro ficará aberto normalmente para receber as doações, melhorando o estoque de sangue fornecido aos hospitais de Porto ALegre.  .

No mês passado, o Hemorgs enfrentou dificuldades devido ao baixo estoque, situação que agora, em junho, tende a normalizar, conforme informações da assessoria de comunicação da unidade.  O hemocentro é responsável por fornecer sangue aos hospitais Pronto Socorro (HPS), Independência, Santa Ana, Materno Infantil Presidente Vargas e Hospital da Restinga Extremo Sul.

O órgão de saúde estadual, localizada na Avenida Bento Gonçalves, 3722, em Porto Alegre, libera as doações para os hospitais, conforme necessidade destes. Mesmo com a estabilização, sempre há necessidade de se ter mais pessoas doando sangue e ajudando a aumentar o estoque, já que é importante ter sempre uma quantidade significativa, reduzindo o risco de faltar. O Hemorgs não trabalha com agendamentos, quem tiver o interesse em doar sangue poderá comparecer no horário normal de funcionamento, das 08:00 ás 18:00.

A expectativa é que dia 14 de junho, conhecido como o Dia Internacional do Doador de Sangue, data criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2014, receba a atenção que merece dos voluntários, com os mesmos comparecendo aos postos de coleta de sangue apesar da paralisação promovida pelos que são contrários à reforma da Previdência Social.