Jogadores do Inter e do Atlético-MG se posicionam para a abertura do jogo. (Bibiana Garcez)

Internacional perde em casa para o Atlético-MG no “jogo da tolerância racial”

  • Por: Bibiana Garcez (3º semestre) | Foto: Bibiana Garcez (3º semestre) | 06/07/2015 | 0
Jogadores do Inter e do Atlético-MG se posicionam para a abertura do jogo. (Bibiana Garcez)
Jogadores do Inter e do Atlético-MG se posicionam para a abertura do jogo.

O Internacional perdeu por 3 a 1 para o Atlético Mineiro na noite de 5 de julho, num jogo pela 11ª rodada do campeonato brasileiro. A partida começou às 18h30 no estádio Gigante da Beira Rio.

O Internacional e o Observatório da Discriminação Racial no Futebol, com o apoio da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), chamaram a partida de “jogo da tolerância racial”, com o objetivo de conscientizar a sociedade a respeito do racismo no esporte. Antes mesmo da partida, o torcedor pôde ter contato com diversas manifestações de arte étnica, como tango, danças africanas, dança do ventre, danças indígenas e capoeira, no espaço Sunset. Além disso, os jogadores colorados tinham, na manga direita do uniforme, bandeiras com o estado ou país de origem de cada um, ao lado do slogan da partida: “Somos todos iguais”.

Mesmo com o frio, 20.236 espectadores compareceram ao estádio. Eram esperados entre 20 e 25 mil torcedores. O primeiro tempo foi de um Internacional mais ativo, com mais tentativas de gol. O Atlético-MG se manteve na defensiva. As estatísticas mostram que a posse de bola do Inter foi de 53% no jogo.

O segundo tempo foi mais difícil para o colorado. Poucos minutos depois de um primeiro gol do Atlético, feito por Maicosuel, o time da casa sofreu uma expulsão. Anderson, camisa 8, xingou o juiz após discordar de uma marcação de falta a favor do Galo. “Em um momento de irritação, acabei xingando, ele acabou ouvindo e acabou me expulsando. O problema é que não se pode falar com ele, não se pode dizer nada. O bandeira e o juiz acham que são jogadores…”, criticou o Anderson.

Aos 31 minutos, Maicosuel marcou mais um gol. Dois minutos depois, Thiago Ribeiro deixou o placar em 3 a 0 para o Atlético-MG, agora líder do campeonato. Aos 40 minutos, Lisandro López, do Internacional finalmente marcou para o time da casa. Contudo, o gol não foi produto de um movimento do elenco, e sim de uma falha do Galo.

Carlos Pellegrini, diretor de futebol colorado, foi questionado sobre o impacto da derrota. Segundo ele, o Inter, que está nas semifinais da Libertadores, considerava este jogo um “treino”. “É evidente que em uma partida da natureza desta, entre Inter e Atlético, um jogo de iguais, a situação ocorrida, de se estar sem um jogador, altera totalmente as condições. O resultado foi este: 3 a 1 para o Atlético-MG”, respondeu.

A escalação de Diego Aguirre contou com Muriel, William, Alan Costa, Ernando, Geferson, Rodrigo Dourado, Nilton, Anderson, D’Alessandro, Lisandro López e Jorge Henrique. A única substituição foi feita no segundo tempo: aos 19 minutos, saiu Jorge Henrique e entrou Alisson Farias.

Levir Culpi apostou na seguinte escalação: Victor, Carlos César, Jemerson, Edcarlos, Douglas Santos, Leandro Donizele, Rafael Carioca, Maicosuel, Giovanni Augusto, Thiago Ribeiro e Lucas Pratto. O Galo realizou mais substituições, também no segundo tempo. Aos 20 minutos, saiu Leandro Donizete, dando lugar à Josué. Aos 21, Carlos César saiu e entrou Danilo Pires. Aos 36, saiu Douglas Santos, vindo Pedro Botelho em seu lugar.

A próxima partida do Inter pelo campeonato Brasileiro é no dia 08, contra o Flamengo, em Porto Alegre. O Atlético-MG enfrenta o Sport no estádio Independência no mesmo dia.