Jean Wyllys critica conceito tradicional de família

O estatuto da família, proposta de autoria do deputado Ronaldo Fonseca (PROS/DF), que define família como pai, mãe e filho, excluindo casais sem filhos, com filhos adotados e homossexuais, foi duramente criticado pelo deputado federal Jean Wyllys (PSOL/RJ) na palestra que proferiu na quinta feira (08/05) no prédio da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS, evento promovido pela deputada Manuela D`Ávila (PCdoB/RS).

“Resumindo: família para ele é a do comercial de margarina”, disse Wyllys. “Eles sempre usam o argumento de um casal homossexual não é natural, pois não pode gerar filhos. Eu sempre rebato essa pergunta da mesma forma: Cada vez que você tem relações sexuais com a sua namorada é para ter filhos?”, questionou.

Sabendo medir o humor com a seriedade, o deputado ganhou a plateia, que escutou atentamente ao seu discurso. Além desse tópico, também foram discutidos questões de identidade de gênero, a regulamentação da profissão dos profissionais do sexo e as liberdades individuais, como a regulamentação do uso da maconha. “Hoje ela está liberada. Quem quiser fumar, fuma. Um menino de dez anos, um adulto dirigindo. Não podemos criar uma lei seca da maconha, com ela estando proibida”, comentou Wyllys.

O deputado também criticou o jeito com que o governo brasileiro lida com o problema, dizendo que a guerra contra as drogas só causa vítimas de policiais, traficantes e até de civis, enquanto o número de usuários aumenta. “A resposta dada para essa situação está errada”.

O deputado ainda acusou o governo e a mídia de criminalizar os protestos e a organização política. “A tentativa de tipificar o terrorismo é um disfarce para criminalizar as manifestações.” Ao se despedir, Jean foi aplaudido em pé pelos palestrantes.

Texto: Pedro Pacheco (3º semestre)