Jean Wyllys debate legalização da maconha na Assembleia Legislativa

Combate à violência nas cidades através da legalização das drogas foi tema de debate entre parlamentares.

  • Por: Tiago Bianchi | Foto: Tiago Bianchi | 29/06/2015 | 0

20150629_112637

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL/RJ) foi o protagonista do debate “Legalizar as drogas ajuda a combater a violência nas cidades?” na manhã desta segunda-feira (29/6), realizado no auditório Dante Barone da Assembleia Legislativa. O evento, organizado pelas deputadas estaduais Manuela D’Ávila (PCdoB) e Miriam Marroni (PT), aconteceu das 9h40min às 11h40min, com aproximadamente 250 pessoas presentes. Na plateia também estavam a ex-candidata à presidência da República Luciana Genro (PSOL), que foi apresentada no palco durante o debate, e o vereador Alberto Kopittke (PT).

Wyllys é autor do Projeto de Lei 7.270/2014, que propõe a regulamentação do plantio, o uso recreativo e a comercialização da maconha em todo o país. “As drogas não são ilícitas ou licitas por natureza, mas devido à questão política e econômica” argumenta. “80% dos usuários de drogas são usuários de maconha, o que a classifica, então, como uma guerra à maconha. Nós gastamos muito dinheiro público, dos contribuintes, aumentando o efetivo policial, armando polícias para promover uma guerra contra os traficantes. Nós perdemos esta guerra, porque o tráfico não diminuiu, ele só aumentou. Assim como o consumo também não”, completa. O projeto precisa passar ainda por três comissões da Câmara dos Deputados, entre elas uma comissão especial.

Quando questionado sobre a possibilidade de discussão do tema chegar ao Senado, Wyllys reafirmou os problemas que terá para movimentar o projeto sob a presidência de Eduardo Cunha na Câmara dos Deputados, lembrando que, Cunha afirmou que projetos de ampliação dos direitos às mulheres, dos públicos  LGBT’s e legalização das drogas “só passariam por cima do seu cadáver”.

Apesar disso, o deputado acredita que o debate possa prosperar por que há um campo político aberto para a discussão, comentando que o ministro do STF Gilmar Mendes, “mesmo sendo um pouco problemático por outros aspectos é alguém que preza pelas questões das liberdades individuais.”

Outros temas foram abordados durante o encontro como a relação da legalização da maconha com a maioridade penal. Parabenizado várias vezes por participantes, Wyllys também comentou com bom humor os boatos criados em torno de sua trajetória política, como o suposto projeto de “emenda à bíblia”, por exemplo.

Wyllys seguiu para agenda na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, em evento no qual recebeu o título de cidadão honorário de Porto Alegre. Mais tarde, ele também participou de uma audiência pública sobre parto humanizado, no mesmo local do debate da manhã, mas desta vez para discutir o Projeto de Lei 7633/2014, também de sua autoria.