Jogos olímpicos vão fomentar intercâmbio esportivo, prevê especialista

  • Por: Matheus Wolff (3ºsemestre) | Foto: Mia Sodré (1º semestre) | 30/03/2016 | 0
Professor Nelson Todt espera maior intercâmbio com atletas internacionais.
Professor Nelson Todt espera maior intercâmbio com atletas internacionais.

A quatro meses das Olimpíadas do Rio de Janeiro, a expectativa do professor Nelson Todt, coordenador do grupo de pesquisa de estudos olímpicos da Faculdade de Educação Física da PUCRS, é de que não haverá surpresa quanto à colocação do Brasil no quadro geral das medalhas que serão conquistadas. Ele não estima melhorias neste quesito, mas ainda assim acredita no legado para o avanço das atividades esportivas no país, principalmente com o intercâmbio entre os melhores que o esporte sempre estabelece.

No momento, o Brasil se caracteriza por apresentar talentos esportivos isolados, sem ter políticas públicas e investimento nas diversas modalidades esportivas, pondera Todt. O professor lamenta que alguns projetos são executados sem as condições adequadas, como foi o caso de chuveiros não adaptados à altura dos atletas de basquete, encontrados em algumas competições do evento teste do Rio de Janeiro.

Todt acredita que as obras para receber os jogos estarão prontas. Porém as promessas de melhorias nas áreas de turismo e transporte (rodovias e aeroportos) não parecem estar de acordo com o que era esperado.

O coordenador do grupo de pesquisa de estudos olímpicos está animado mesmo com a realização do colóquio internacional dos estudos olímpicos que vai acontecer na PUCRS, entre 2 e 3 de agosto, dias anteriores a abertura dos jogos olímpicos. Esse encontro vai tratar de vários assuntos sobre o movimento olímpico, reunindo pesquisadores de 12 países.