Jornalista Alexandre Garcia recebe Prêmio Liberdade de Imprensa no Fórum da Liberdade

Em evento com a presença de autoridades do Estado, jornalista que foi porta-voz no período militar recebeu homenagem do Instituto de Estudos Empresariais

  • Por: Rariane Costa (3° semestre) | Foto: Lara Moeller Nunes (1° semestre) | 10/04/2019 | 0

Na última segunda-feira (9), o jornalista Alexandre Garcia recebeu o Prêmio Liberdade de Imprensa, promovido pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE), entregue no Fórum da Liberdade. Segundo a organização do evento, a distinção é concedida a “profissionais que preconizam a liberdade de imprensa e que se dedicam ao desenvolvimento do pensamento crítico”.

Em entrevista ao Editorial J, Garcia falou sobre a relação entre a imprensa e o poder público: “a gente não pode ter intimidade, tem que ter respeito e relação profissional, intimidade pode gerar, como diria o presidente Jânio Quadros, filhos”. Para o jornalista, alguns profissionais da área acabam tendo uma relação de muita proximidade com autoridades políticas e acabam se tornando cúmplices do governo, o que ele classifica como “ruim”.
Questionado sobre a relação entre ter recebido o prêmio Liberdade de Imprensa e ter exercido o cargo de porta-voz do governo durante o período militar, no governo de João Figueiredo, Garcia, após alguns segundos de silêncio, limitou-se a dizer “gostei muito do prêmio”.

O articulista coleciona experiência na editoria política. Esteve na cobertura de todos os processos eleitorais desde a redemocratização do Brasil. Em 1979, foi secretário de imprensa do governo João Figueiredo, o último presidente do período militar. Durante os vinte e um anos em que o Brasil esteve sob comandos militares, a censura à imprensa era uma das obsessões dos que tinham o poder no período.
Ao receber o prêmio, Garcia afirmou se tratar de um momento único: “esse reconhecimento chega em um momento especial, quando estou renovando minha vida profissional”. O jornalista que atuou por cerca de trinta anos na Rede Globo de Televisão se desligou da empresa no fim de 2018. Garcia ainda exerce a função de comentarista em 18 jornais e 300 rádios pelo país. Na internet, o jornalista também gera muita interação entre sua audiência. Suas publicações em redes sociais costuma render debate. Em março de 2017, por exemplo, Garcia movimentou as redes sociais ao criticar termos criminalistas afirmando que “o feminicídio é uma invenção”.
Após ser homenageado, o jornalista comentou a atual situação dos jornalistas no país: “vivemos uma encruzilhada, precisamos tomar o rumo certo na profissão, infelizmente o jornalista deixou de ser apenas um mediador de notícia para ser a própria notícia”. Nos últimos meses, profissionais da imprensa têm sido pauta diante de posturas do governo vistas como hostis. Segundo o jornalista, os colegas de trabalho não aceitam críticas e precisam lidar melhor com isso