Jornalistas reivindicam valorização da categoria

Entoando palavras de ordem como “Essa notícia é muito séria, o jornalista vive quase na miséria”, cerca de 100 jornalistas se reuniram no Parque Farroupilha, em Porto Alegre, no domingo (24), para pedir por uma valorização da categoria. Com o slogan Sem jornalista não tem informação – O Trabalho do Jornalista Vale Mais, a campanha já distribuiu mais de 1,2 mil camisetas e possui mais de 3,5 mil seguidores em sua página no Facebook. “A ideia é que este ato faça com que eles (patronal) quebrem o silêncio”, explica o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul (SindJors), Milton Simas.

A mobilização teve início após a categoria rejeitar um reajuste real de 1% para os salários do Interior e zero por cento para a Capital. Os profissionais pedem que o piso, que atualmente é de R$ 1,690, passe para R$ 2 mil até o final do ano, suba para R$ 2.200 mil em 2014 e R$ 2.400 mil em 2015.

“O mote da campanha aqui em Porto Alegre é legal, porque realmente sem informação as pessoas ficam desorientadas. A circulação da informação é fundamental para a sobrevivência da democracia”, opina o jornalista Geraldo Hessi.

Para Simas, os jornalistas se consideram autossuficientes, o que dificulta uma união de esforços. Um dos reflexos disso é o baixo número de profissionais sindicalizados com a mensalidade em dia no Rio Grande do Sul, cerca de 600. “É um círculo vicioso. As pessoas dizem que não se associam porque o sindicato é fraco, e o sindicato é fraco porque as pessoas não se associam”, opina o jornalista Gerson Raugust.

Saiba mais sobre a sindicalização

Jornalistas profissionais, repórteres fotográficos e cinematográficos, diagramados, ilustradores e estudantes de jornalismo podem se associar no SINDJORS. A taxa de confecção da carteira é de R$ 85 para profissionais. O valor da mensalidade é de R$ 25 na Capital e R$ 22 no Interior. Para estudantes, o valor semestral é de R$ 40 na Capital e R$ 30 no Interior, incluso a confecção da carteira.

Os benefícios em se associar são assessoria jurídica, civil, criminal e trabalhista, serviço odontológico, cooperativa de saúde, bolsa de emprego, cursos de atualização profissional e convênios com profissionais liberais em vários ramos de atividades e no setor de serviços.

Texto: Douglas Roehrs (6º semestre)
Foto: Gabriela Pedroso (1º semestre)