Lutar contra o câncer e seus mitos é objetivo de Projeto Camaleão

Casa inaugurada, em Porto Alegre, pretende apoiar pacientes a vencer a doença

  • Por: Jonas Melgaré (4º semestre) | Foto: Cecília Fontoura (2º semestre) | 02/04/2018 | 0

Vídeos com depoimentos de pessoas que tiveram diagnóstico de câncer e de médicos que procuram desvendar a doença foram apresentados no dia 2 de abril pelo grupo

Projeto Camaleão em sua página no Facebook e em outras redes. Neste mês, o grupo lança a campanha “Abril branco: câncer em todas as cores’’ que visa, junto com os vídeos, desvendar mitos da doença. “Nossa ideia com o projeto é unir as pessoas para falar sobre todos os tipos de câncer, e não só de um específico”, explica a criadora da Ong Projeto Camaleão, Flávia Maoli. ”Hoje, as campanhas sobre isso focam em apenas um tipo de câncer, deixando de lado vários outros. Além disso, pretendemos mostrar informação de qualidade para o público em geral’’, argumenta.

O Projeto Camaleão surgiu, em 2014, a partir de uma ideia dos jovens Flavia Maoli, Bruno Kautz e Leon Goldziner. Em 2011, Flavia estudava Arquitetura e já estava prestes a se formar quando descobriu, aos 23 anos, que estava com Linfoma de Hodking (câncer no sistema linfático). “Descobri que tinha câncer quando surgiu um caroço no meu pescoço, que começou a crescer e me incomodava para dormir. Outra coisa que me chamou a atenção foi que cada vez que eu bebia cerveja ficava muito mal e tinha sensações estranhas, como aumento da palpitação cardíaca”, relata. Sua irmã que é médica a alertou que o câncer do tipo Linfoma reagia ao álcool. Flavia foi ao médico que percebeu na hora que era câncer no sistema linfático.

Após fazer tomografias e biópsias, a estudante foi diagnosticada com câncer, iniciando tratamento de quimioterapia em seguida. Ao final do tratamento, ela ficou curada. Mas, dois anos depois, o câncer voltou. Então, fez novamente a série de sessões de quimioterapia e se submeteu ao transplante de medula. Nesse meio tempo, Flavia criou um blog que existe até hoje chamado “Além do cabelo”. No blog, ela dá dicas, compartilhava histórias e coisas que aprendeu no tempo em que teve a doença. “Através do blog, conheci muitas pessoas que estavam em tratamento e pessoas que não estavam, como o Leon e o Bruno. Eles leram o blog e vieram conversar comigo para montar um projeto juntos’’, conta.

Os três jovens começaram a fazer feiras coletivas de autoestima a fim de apoiar pacientes com câncer. Com isso, perceberam a necessidade de criar algo maior para ajudar ainda mais pessoas. Em março de 2017, os três fizeram um financiamento coletivo no site Catarse e conseguiram arrecadar cerca de R$ 37 mil. A Casa Camaleão foi inaugurada em março deste ano, localizada na rua Giordano Bruno, 82 no bairro Rio Branco. O local recebe pacientes e familiares para várias atividades, debates e oficinas que buscam levantar a autoestima de quem convive com a doença.

A casa planeja outras programações para esse ano como o calendário ‘’camaleões contra o câncer ” que já está em sua terceira edição. Nele, 13 pacientes são escolhidos para ser modelo por um dia. Também estão programados projetos no outubro rosa, e setembro verde (para falar sobre câncer hematológico), além do “nata-lenço”(campanha para levar cartas na época do Natal para hospitais). Para Flavia, ainda há metas a serem alcançadas. ”Ainda estamos organizando a agenda para esse ano. Nossa ideia é ter toda semana pelo menos cursos, palestras, inaugurar o segundo grupo de apoio, além dos grupos familiar, de bordado e de empoderamento. Os integrantes da Ong pretendem em breve receber crianças e mães para realizar atividades.

 

Contatos:

Facebook: Projeto camaleão

Instagram: @Projetocamaleao

site: http://www.projetocamaleao.com/

htpp://alemdocabelo.com