Manifestação contra ensino politécnico é a menor desde junho

Os protestos do Brasil, originados em Porto Alegre, atingiram o ápice de público em junho com enfoque nos problemas de transporte público, saúde e educação no país. Nessa quinta-feira, um novo protesto ocorreu na Capital gaúcha. A caminhada reuniu manifestantes com bandeiras do coletivo Juntos, da central sindical e popular e da Federação Anarquista Gaúcha, que pediam o passe livre com gritos “o passe livre, os ricos vão pagar”. Além de estudantes que pedem o fim no ensino politécnico no Estado. A passeata foi da prefeitura até a Praça da Matriz. Ao longo da caminhada, radicais picharam prédios históricos e quebraram vidraças de bancos, da CEEE e do Museu Julio de Castilhos. Pedras foram atiradas contra policiais que cercavam o prédio do governo estadual.

Texto e fotos: Caroline Ferraz (5° semestre)