Poucas ocorrências, voto dos candidatos e urnas no Exterior: veja como foi a manhã de 2º turno

Com menor número de filas, problemas nas urnas e crimes eleitorais, a tranquilidade faz parceria com a democracia nesta manhã de domingo

  • Por: Fernando Costa (2º semestre) e Sarah Oliveira (2º semestre) | 28/10/2018 | 0

Com início às 8h, o segundo turno das eleições 2018 ocorre sem grandes dificuldades, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Até o momento, as ocorrências de crimes eleitorais e problemas nas urnas foram menores do que em 7 de outubro. Haddad e Bolsonaro votaram em São Paulo e Rio, enquanto os candidatos ao Piratini, Leite e Sartori, tiveram agendas em Porto Alegre e depois seguiram para suas seções no interior do Rio Grande do Sul.

Os presidenciáveis e seus vices já votaram durante a manhã. Jair Bolsonaro (PSL) votou na Vila Militar, Zona Oeste do Rio de Janeiro, que teve a segurança reforçada para receber o candidato. Seu vice, o general Hamilton Mourão (PRTB), compareceu às urnas em uma escola do Setor Militar Urbano, em Brasília. Acompanhado por militantes, Fernando Haddad (PT) votou durante na zona sul da capital paulista, a Polícia Militar de São Paulo precisou apartar uma briga entre apoiadores dos candidatos à presidência no local. Sua vice, Manuela D’Ávila (PCdoB), votou no Colégio Santa Inês, em Porto Alegre.

Os candidatos ao governo do Rio Grande do Sul irão votar durante a tarde, Eduardo Leite (PSDB), em Pelotas, e José Ivo Sartori (MDB), em Caxias do Sul. Enquanto isso, seus vices, já compareceram às urnas no turno da manhã: Delegado Ranolfo (PTB) votou em Esteio, e José Paulo Cairoli (PSD), em São Leopoldo.

No Rio Grande do Sul, os colégios eleitorais registraram poucas filas. De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS), até o fechamento desta reportagem, às 12h45min, apenas 16 denúncias haviam sido registradas, diferente do primeiro turno, que no mesmo período já contava com 50. Enquanto isso, 126 urnas foram substituídas no Estado, contra as 328 substituições que ocorreram no primeiro turno. Por crimes eleitorais, foram cinco presos no Rio Grande do Sul.

 

Em Porto Alegre, são 356 locais de votação. Segundo a Brigada Militar (RS), pelo menos 96 localidades contam com reforço policial, motivado por histórico de ocorrências. Como no 1º turno, a EPTC manteve o aumento de 27% da frota de ônibus disponível.

No Brasil, foram 912 urnas que precisaram ser trocadas, 0,2% do total instaladas, e 17 prisões por crimes eleitorais em 8 estados: Pará, Paraná, Amapá, Goiás, Paraíba, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e São Paulo. Até o momento, nenhum candidato foi detido. Em uma zona eleitoral de Nova Iguaçu, na baixada fluminense, João Carlos Félix, mesário da zona 156, sofreu um infarto e morreu. No estado de São Paulo, houve depredação de 10 urnas eletrônicas em Sorocaba-SP, que foram substituídas pelo TRE daquela região. O local onde elas estavam foi invadido antes do horário da chegada dos funcionários. Várias salas foram reviradas e, em uma delas, foi deixado um bilhete “Todos vocês vão pro inferno”.

 

Votos no Exterior

No Exterior, as votações em 16 países já foram finalizadas: Austrália, Cingapura, China, Coreia do Sul, Filipinas, Hong Kong, Indonésia, Índia, Malásia, Nepal, Nova Zelândia, Tailândia, Taiwan, Timor Leste e Vietnã. O resultado oficial será divulgado somente às 19h, no horário de Brasília. São 500.727 eleitores brasileiros aptos para participar do segundo turno em outros países.

 

Nas redes sociais

 

O candidato à vice-presidência pela chapa de Jair Bolsonaro, o General Mourão, foi o único que apareceu pelas redes sociais no dia de hoje, postando foto em seu Twitter após votar.

Reprodução Twitter

 

O atual presidente, Michel Temer (MDB), votou pela manhã e tweetou logo depois afirmando que “A transição começará em seguida e será muito sossegada”.

Reprodução Twitter

 

Como está a votação pelo Brasil

 

São 13 estados e Distrito Federal com segundo turno para governador. No Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) e Eduardo Paes (DEM) disputam o cargo. Segundo a última pesquisa Ibope, divulgada nesse sábado, Witzel tem 54% dos votos válidos e Paes 46%. Eduardo Paes subiu, dentro da margem de erro, 2 pontos em relação à pesquisa anterior, que computava 44%, continuando atrás de Wilson Witzel.

No Distrito Federal, o segundo turno ocorre entre Ibaneis Rocha (MDB) e o atual governador Rodrigo Rollemberg (PSB). A última pesquisa do Ibope não apontou mudanças em relação ao cenário anterior, com Ibaneis se mantendo nos 75% e Rollemberg com 25% dos votos válidos.

Em Minas Gerais, a disputa para governador será decidida entre Romeu Zema (NOVO) e Antonio Anastasia (PSDB). Na terceira pesquisa feita pelo Datafolha no segundo turno das eleições em Minas Gerais, Romeu Zema tem 70% e Antonio Anastasia 30% dos votos válidos.

De acordo com a mesma simulação, no maior colégio eleitoral do país, São Paulo, Márcio França (PSB) e João Dória aparecem virtualmente empatados. O candidato do PSDB teria 51% das intenções de voto e o do PSB, 49%, contabilizando apenas os votos válidos.

A disputa para governador em Santa Catarina está entre Gelson Merisio (PSD) e Carlos Moisés da Silva (PSL). Silva teria 59% dos votos válidos e Merísio 41%.

No Mato Grosso do Sul, o atual governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disputa a reeleição contra Odilon de Oliveira (PDT). Em um empate técnico, Odilon conta com 51% das intenções de voto e Azambuja, 49%.

A senadora Fátima Bezerra (PT) avançou para o segundo turno no Rio Grande do Norte contra Carlos Eduardo Alves (PDT). As pesquisas apontam 55% dos votos para a petista contra 45% de Carlos Eduardo Alves.

O atual governador do Amapá Waldez Góes (PDT) tenta se reeleger na disputa contra o ex-governador João Capiberibe (PSB), que pontua 53% nas pesquisas contra 47% de Góes.

No Pará, Helder Barbalho (MDB) e Marcio Miranda (DEM) disputam o segundo turno no Estado. O emedebista alcançou 57% nas pesquisas contra os 43% do adversário.

O atual governador do Sergipe, Belivaldo Chagas (PSD) e Antônio Carlos Valadares Filho (PSB) disputam o cargo. Chagas conta com 58% dos votos válidos contra 42%.

Wilson Lima (PSC) e o atual governador amazonino Mendes (PDT) disputam o segundo turno no Amazonas. Lima aparece disparado na frente, com 64% dos votos válidos contra os 36% de Mendes.

Em Rondônia, Expedito Júnior (PSDB) disputará o segundo com Coronel Marcos Rocha (PSL). Com uma diferença elástica, Rocha conta com o apoio de 63% dos eleitores, contra 37 %.

Roraima, o menor colégio eleitoral do país, tem seu segundo turno travado entre Antônio Denarium (PSL) e José de Anchieta (PSDB). O candidato do PSL tem 54% dos votos contra 46% de Anchieta.