Nova rede social TSU promete pagar por conteúdo gerado pelo usuário

Pouco tempo depois do Ello, outra rede social ganha o apelido de “rival do Facebook”. O TSU mantém a publicidade, mas,provavelmente, ninguém vai reclamar disso: 90% do valor arrecadado com anúncios será repassado aos usuários, confrome a administração da rede.

“As redes sociais estabelecidas construíram modelos de negócios surpreendentes. São prósperos na monetização total de conteúdo gerado pelo usuário de forma gratuita. Por que alguém deveria se beneficiar comercialmente a partir da imagem, curtidas e trabalhos sem dar retorno financeiro ao proprietário?”, indaga Sebastian Sobczak, criador da ferramenta, em entrevista à TV Fox.

Com funcionalidades similares às do Facebook, o TSU permite a publicação de fotos e textos, que podem incluir hashtags e links. A diferença é que cada perfil possui também uma conta bancária, com sistema similar monitoramento de audiência. Nele, o usuário pode conferir valores arrecadados, verificar seus débitos e ver quais conteúdos geraram mais retorno. Os valores podem ser resgatados depois de atingirem os US$ 100. Para manter a qualidade do conteúdo, o site segue as orientações da Digital Millennium Copyright Act (DMCA). Portanto, ninguém ganha dinheiro publicando material protegido por lei.

Para ingressar no TSU, basta acessar o perfil de alguém que já esteja na rede. Os convites criam uma espécie de “árvore de contatos”, na qual os convidados podem gerar lucro para quem os indicou. Para Sobczak, o sistema não é nada além de justo: “Os mercados em que participamos são enormes e podem compensar o usuários. Estamos simplesmente recompensando o usuário que está fazendo todo o trabalho.” “Essa é a forma que o mundo deveria funcionar”, completa.

Texto: Caroline Michaelsen (6º semestre)