Obras de Ernesto Scheffel estão em exposição no Margs

A homenagem ao artista de Novo Hamburgo vai até 5 de dezembro

  • Por: Jonas Melgaré (3º semestre) | Foto: Jonas Melgaré (3º semestre) | 06/11/2017 | 0
Exposição tem como objetivo difundir e valorizar obras de pintor gaúcho
Exposição tem como objetivo difundir e valorizar obras de pintor gaúcho

A exposição “Scheffel por ele mesmo” estreou no dia 25 de outubro no Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (Margs) e irá se estender até o dia 5 de dezembro, com o horário de visitação das 10 às 19 horas. A exposição conta com as principais obras do pintor, trazidas diretamente de sua fundação, situada em Novo Hamburgo. O pintor Ernesto Frederico Scheffel nasceu em Campo Bom (RS) em 1927. Era descendente de imigrantes alemães, de Westfalen.

Desde pequeno demonstrou aptidão para a arte. Aos 12 anos, foi convidado a estudar no Instituto Belas Artes em Porto Alegre. No instituto, teve aula com grandes artistas brasileiros como Fernando Corona, João Fahrion, José Lutzenberger e Benito Castañeda. Mais tarde, Scheffel ganhou uma bolsa para estudar no Rio de Janeiro, onde ficou oito anos, período em que conquistou um prêmio no Salão Nacional de Belas Artes pelo quadro “Jeronimo”.

Segundo Angelo Reinheimer, o curador responsável pela exposição e amigo pessoal do artista com o qual conviveu por muito tempo, na atual conjuntura do mundo das artes, a obra de Scheffel é ao mesmo tempo clássica e contemporânea. “Contudo contribuir com a arte contemporânea não foi uma das preocupações de Scheffel, pelo contrário, buscou através da alta qualidade técnica imprimir um caráter atemporal à sua obra, passando ao largo dos modismos e das influências do seu tempo. Também cabe ressaltar, a enorme versatilidade de Scheffel tanto nas temáticas, como na diversidade técnica da sua obra” explica Reinheimer.

Durante sua trajetória, Scheffel morou em Florença na Itália, onde trabalhou em restauração e também realizando obras públicas na cidade, sendo grande parte delas de caráter religioso. As pinturas de Scheffel são caracterizadas pela arte renascentista, como vertentes entre o realismo, simbolismo, e o romantismo. Muitos de seus quadros continham pinturas eróticas. “Para Scheffel, a nudez era extremamente natural e impossível de censurar, assim como na arte grega. Ele prezava muito a pura estética,” afirma Reinheimer. Em 2015, antes de morrer, o pintor doou todas suas obras a sua própria fundação, deixando um enorme legado de arte. Ernesto Scheffel é considerado um dos maiores artistas gaúchos contemporâneos.

Conforme o curador, a ideia da realização da exposição surgiu no início deste ano e faz parte das comemorações alusivas aos 90 anos do artista, com o principal objetivo de difundir e valorizar a obra de Scheffel, além dos muros da Fundação Ernesto Frederico Scheffel, onde guarda a maior parte da obra do artista.