Os uruguaios também vão às urnas no domingo

Nesse domingo, dia 26 de outubro, será o dia em que dois países da América Latina vão votar para escolher seu próximo presidente. Além da votação de segundo turno ,que ocorre no Brasil, os uruguaios vão as urnas escolher o novo presidente da nação, ou, ao menos, decidir quais candidatos irão para o segundo turno, caso se confirmem as pesquisas.

Sem direito à reeleição, o presidente eleito em 2010, Pepe Mujica (Frente Ampla), terá que entregar o seu posto no início de 2015. E a disputa está acirradíssima. Segundo a pesquisa feita pela consultoria Factum,, divulgada no site da agência Reuters no dia 23 de Outubro, Tabaré Vázquez (Frente Ampla), ex-presidente uruguaio (2005-2010), está liderando com 44% das intenções de voto). Subsequentemente, estão Luis Alberto Lacalle Pou (Partido Nacional) com 32% e Pedro Bordaberry (Partido Colorado) com 15% das intenções. Os votos para outros partidos, indecisos, brancos, ou nulos, somam 6%. A pesquisa tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

A situação no Uruguai, após dois mandatos presidenciais do partido da Frente Ampla (FA) é estável. O partido criado em 1971 conseguiu somente chegar a presidência no ano de 2005, com Tabaré Vázquez. Cinco anos depois da eleição de Vázquez, o poder do partido de centro-esquerda, teve continuidade com a eleição de Mujica. Entre 2005 e 2014, o Uruguai começou a ser visto com outros olhos por todo o mundo. Eleito pela The Economist como país do ano de 2013, o Uruguai ganhou projeção mundial com medidas políticas polêmicas como a descriminalização da venda de maconha e a Lei da Interrupção da Gravidez.

Os números do Ministério do Desenvolvimento Social (Mides) na última Revisão dos Indicadores Básicos de Desenvolvimento Social apresentam uma grande evolução em um curto espaço de tempo. Por exemplo, o índice Gini, no qual 1 representa a desigualdade total e 0 a homogeneidade.

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social (Mides)

Apesar da melhoria dos indicadores, a FA não confirma o favoritismo apontado pela campanha de primeiro turno. A pesquisa feita pela consultoria Interconsult, divulgada pelo portal uruguaio do El País no dia 14 de Outubro, apresenta empate técnico entre os candidatos. O candidato Lacalle Pou está com 47% das intenções de voto para o segundo turno, enquanto Vázquez, tem 46% das intenções. Os votos em branco somam 3%, e os indecisos representam 4% dos eleitores.

Para saber mais sobre a relação entre o Rio Grande do Sul e o Uruguai, fomos até o Centro Administrativo do Estado do Rio Grande do Sul, para conversar com o Coordenador da Assessoria de Cooperação e Relações Internacionais do governo do Estado, Tarson Nuñez. Em entrevista, Nuñez comenta a integração dos países integrantes do bloco econômico do Mercosul e opina sobre o que pode mudar com a eventual vitória de Lacalle.

Além de votar para a presidência, o povo uruguaio vai eleger 99 deputados, 30 senadores e ainda decidirá o plebiscito de redução da maioridade penal. Cerca de 350 mil pessoas assinaram o plebiscito que propõe a redução da idade penal para 16 anos em casos graves. Quem apoia a medida é o candidato que figura na terceira posição das pesquisas, Pedro Bordaberry.

Texto: João Paulo Dorneles (2º Semestre)