“Para nós aqui do RS armamento é cultural”, diz homem que compartilhou foto com arma em urna

Manoel Delci disse não ser o autor da imagem, mas ter admirado a coragem de quem a produziu

  • Por: Fernando Costa (2º semestre) | Foto: Divulgação/TRE | 07/10/2018 | 0

Domingo, como não poderia deixar de ser, foi dia de fotos e vídeos viralizarem nas redes sociais. Uma dessas postagens se destaca e se repete: fotos e vídeos de armas sob urnas. Uma especificamente, postada no Instagram, teve, até o fechamento desta matéria, 204 curtidas e 4.860 comentários em apenas um dos perfis em que foi publicada.

Manoel Delci, dono do perfil em questão, afirmou não ser o autor da imagem e que a recebeu via grupo de WhatsApp e a publicou com a legenda: “Chupa PT, aqui é RS”. Segundo o morador de Cachoeira do Sul, Rio Grande do Sul, a ideia era apenas fazer uma brincadeira e não provocar qualquer pessoa, órgão, instituição ou partido. Simpatizante do deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), disse ter admirado a coragem da pessoa que fez a fotografia originalmente e que aquilo era uma forma de protesto. “Para nós aqui do Rio Grande do Sul armamento é cultural”, completou. A favor da liberação das armas, Manoel afirma que vai se sentir mais aliviado se seu candidato à presidência for eleito, e que vai cobrar soluções para segurança. O eleitor não acredita em derrota do capitão nas urnas: “Se ele não ganhar, com certeza houve uma fraude”.

Consultada sobre a legalidade da foto, a assessoria do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS) reiterou ser proibido levar o celular para cabine de votação e que, dependendo da leitura, a foto pode se enquadrar como propaganda em redes sociais, o que é proibido em dia de eleição.

De acordo com reportagem do site GaúchaZH, o Ministério Público eleitoral descartou que a foto tenha sido feita originalmente no Rio Grande do Sul. A origem seria o Rio de Janeiro. Ainda segundo a mesma matéria, o órgão afirma que existe a possibilidade de eleitores que republicaram a imagem possam ser responsabilizados.

Depois de conversar com a reportagem, Delci excluiu o post.