Trezentos operários são demitidos nas obras da nova Ponte do Guaíba

Causadas pela falta de recursos, demissões paralisam o andamento do projeto

  • Por: Ângelo Menezes (1º sem) | Foto: Wellinton Almeida (2º sem) | 03/05/2016 | 0
É estimado que apenas 10 operários, responsáveis pela sinalização da obra, permanecerão no local até o fim de maio, quando serão dispensados.
É estimado que apenas 10 operários, responsáveis pela sinalização da obra, permanecerão no local até o fim de maio, quando serão dispensados.

A demissão de cerca de 300 trabalhadores das obras da nova Ponte do Guaíba, confirmada na segunda-feira, 2 de maio, paralisou a construção dos pilares que estavam sendo erguidos rio adentro. Poucos operários circulavam pelo Canteiro Administrativo da Ponte do Guaíba, a maioria cuidava dos documentos referentes à rescisão do contrato e preparava as mochilas para a viagem de volta aos seus estados e municípios de origem.

A paralisação das obras e a dispensa dos empregados foi confirmada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Pesada do Rio Grande do Sul (Sitecepot), Isabelino Garcia. No canteiro de obras – nas margens do Guaíba, no bairro Humaitá – dois ônibus aguardavam o embarque dos passageiros e algumas pessoas circulavam entregando cartões de advogados para os operários que deixavam os abrigos.

Sem previsão para a retomada das obras, os trabalhadores custeiam o próprio transporte para a volta pra casa, a maioria na região nordeste.
Sem previsão para a retomada das obras, os trabalhadores custeiam o próprio transporte para a volta pra casa, a maioria na região nordeste.

Ainda surpresos com a dispensa, poucos operários aceitavam falar sobre o fato. Contavam que voltam para a terra natal, muitos vieram de estados do Nordeste como Pernambuco, e que pagaram as passagens com recursos próprios. Esperançoso de que as obras terão continuidade, um deles revelou que a empresa pegou o número de telefone dos funcionários demitidos e que, em 30 ou 90 dias, eles deverão ser chamados novamente para voltar ao canteiro de obras.

A construção de uma nova ponte sobre o Guaíba vai ampliar a interligação da Região Metropolitana de Porto Alegre com o sul do Estado e o investimento do governo federal neste ano é de R$ 65 milhões. A ponte terá uma extensão de 2,9 quilômetros com um total de 7,3 quilômetros em obras como alargamento da ponte Saco da Alemoa, elevada e viadutos. Com 28 metros de largura nos vãos principais, a pista contará com duas faixas de rolamento com acostamento e refúgio central. As obras começaram em outubro de 2014 e a previsão inicial era de estarem concluídas em outubro de 2017.