Participação de Moro No Fórum da Liberdade tem aplausos e protestos

A 31° edição do evento que promove o pensamento liberal aconteceu na PUCRS

  • Por: Rariane Costa (1° semestre) | Foto: Bernardo Speck (5° semestre) Nicolas Chidem (5° semestre) | 11/04/2018 | 0

Com uma plateia entusiasmada, aplausos em pé e repetidos gritos com seu nome, o juiz Sérgio Moro foi recebido com status de herói pelo público presente na palestra que proferiu no painel “A Lei” do 31° Fórum da Liberdade. O evento aconteceu três dias após a prisão do ex-presidente Lula na sede da Polícia Federal em Curitiba. No entanto, contrariando as expectativas da “torcida”, o magistrado não citou nominalmente em nenhum momento o ex-presidente.

"A Lei"

Em seu discurso, muitas vezes interrompido por palmas e manifestações sempre favoráveis ao que dizia, Sérgio Moro foi questionado sobre a legitimidade e simbolismo da opinião pública. Para ele, as manifestações são válidas, mas suas decisões não são influenciadas pela movimentação popular, e sim baseadas nas provas a que tem acesso, numa menção clara ao caso da prisão de Lula.

Ao defender o seu ponto de vista em relação a democracia, Sérgio Moro afirmou que as prisões decorrentes da Operação Lava Jato são uma conquista da sociedade brasileira, e não apenas dos funcionários que a fazem, como o próprio juiz. Relembrando recentes viagens a países da América Latina, Moro diz ter ouvido discursos extremamente positivos em relação às operações contra a corrupção e que esses países vêm de forma esperançosa o que o Brasil está fazendo a respeito.

Do lado de fora do auditório, no Centro de Eventos da PUCRS, o clima era bem diferente. Manifestantes pró-Lula protestavam contra a presença do juiz. A mobilização aconteceu pelas redes sociais no evento chamado “O Fórum da Liberdade para o Lula”. Para evitar um confronto com os participantes do Fórum, o grupo foi levado para fora do prédio, onde seguiu a mobilização. Sérgio Moro afirmou ser constantemente alvo de notícias falsas além de dizer que a imprensa tem sido favorável às acusações de corrupção.

Ao término de sua palestra, o magistrado foi mais uma vez aplaudido pelo público, e saiu de forma rápida sem dar declarações à imprensa.