Pedestres reclamam do tempo para travessia em semáforos da Capital

Insuficiente para muitos, o tempo dos semáforos para travessia de pedestres gera muitas discussões na cidade de Porto Alegre. Entre os que mais se queixam, estão os idosos. Na maioria das vezes, não conseguem andar em uma velocidade maior e acabam vendo o tempo disponibilizado se esgotar antes do fim do percurso.

A reportagem esteve em alguns pontos da cidade. Um dos lugares que gera reclamações é a Rua Siqueira Campos esquina com a Avenida Borges de Medeiros, em frente ao Mercado Público, Centro da cidade. O tempo dado varia de 16 a 19 segundos no local, dependendo dos horários de pico do trânsito. “As reclamações são inúmeras, principalmente por parte dos idosos. Já presenciei vários acidentes aqui”, afirma Valquíria Silveira, funcionária da Banca da Prefeitura, frente ao local. Já Vinícius Lima, também funcionário da banca, ressalta: “O tempo realmente é curto e gera discussão, mas vale lembrar as infrações por parte dos pedestres, como atravessar correndo e aguardar o sinal abrir quase na terceira faixa de segurança.”, diz.

Como muitos idosos fazem consultas médicas perto do local, é comum a travessia deles nesta esquina. A equipe pôde flagrar dois momentos em que o tempo exíguo compromete. No primeiro, uma senhora com curativo no olho atravessa amparada por uma mulher, e o tempo termina antes das duas chegarem até a calçada. No outro, uma idosa com o braço imobilizado faz a travessia com a ajuda de uma jovem, ocorrendo o mesmo que na outra situação.

Na Avenida Loureiro da Silva, são 11 segundos para atravessar a via em direção ao Guaíba. Na Júlio de Castilhos esquina com o camelódromo, 24 segundos para completar os dois sentidos.

Há um Projeto de Lei, elaborado pelo vereador Marcelo Sgarbossa, em que exige tempo mínimo de 30 segundos nas sinaleiras da Capital. Em fevereiro deste ano, a Câmara aprovou por unanimidade o projeto, porém falta a sanção do prefeito José Fortunati.

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) alega que o critério usado para estipular o tempo dos semáforos baseia-se em um estudo da Organização Mundial da Saúde. Segundo a OMS, uma pessoa percorre, em média, 1 metro e 20 centímetros por segundo. A EPTC também afirma que o tempo pode variar em determinados horários e lugares, como por exemplo, escolas e hospitais. Por fim, completou afirmando que além do período disponibilizado, há outro de 5 segundos alertando a pessoa a não tentar a travessia e um terceiro de 2 a 3 segundos onde há sinal vermelho tanto para pedestres como motoristas.

Texto e Foto: Thiago Valença (4º semestre)