Poder público decide que Ocupação Mirabal permanece até maio de 2018 em seu local atual

Ativistas planejam continuar atividades no próximo local, ainda a ser decidido

  • Por: Esther Oliveira (2º semestre) | Foto: Valentina Rodrigues (2° semestre) | 27/09/2017 | 0
Desenhos e panos colorem o corredor que leva ao interior da moradia. Foto: Valentina Rodrigues - 25/09/2017
Desenhos e panos colorem o corredor que leva ao interior da moradia

A Casa de Referência Mulheres Mirabal completou na segunda-feira (25) dez meses de ocupação na antiga sede do Lar Dom Bosco, no Centro Histórico de Porto Alegre. Um evento comemorativo ocorreu no mesmo dia. A intenção inicial do grupo era começar uma vigilância para que não fosse despejado do imóvel na madrugada de terça-feira, afirmou a coordenadora Andressa Guedes. Porém, a anulação da reintegração de posse anunciada na semana passada, durante reunião sobre a saída das moradoras, tornou o festejo possível.

O acordo firmado entre a Ocupação e os órgãos do Estado e do Município determina que as mulheres e crianças devem permanecer no local até maio do próximo ano, mês em que acontecerá efetivamente a reintegração. Na tarde de segunda-feira, duas inspeções do Ministério Público foram realizadas para que possam, a partir de análises, achar um imóvel adequado, segundo as coordenadoras que estavam presentes. Andressa citou a formação de uma força de trabalho que também está procurando um local para dar continuidade às atividades.

Diversas declarações sobre a Ocupação surgiram nos últimos meses. Em contraponto, uma das moradoras afirmou que o prédio sempre abrigou crianças, inclusive seus filhos. Ao comparar com o número de mulheres que vivem na ocupação “o que mais tem é criança”, apontou Andressa. Segundo ambas, a Delegacia da Mulher (DEAM) encaminha vítimas de violência doméstica diretamente para a Mirabal. O Editorial J entrou em contato com a DEAM e confirmou encaminhamento para a Casa de Referência. Entretanto, foi proibido desde julho o envio de mais mulheres, pois o local não é do município. Existem apenas dois casos que constam com desobediência da proibição: uma mulher que não era de Porto Alegre e outra que apresentava problemas mentais.

Ao ser questionada sobre o diálogo com a proprietária do imóvel, a Inspetoria Salesiana Pio X, Andressa constatou que apenas no mês de setembro conseguiu um contato positivo para as duas partes. No mesmo dia em que completaram dez meses no lugar, a água foi cortada pelo DMAE porque a Inspetoria não pagaria as contas desde abril, segundo a coordenadora. Uma reunião entre as ocupantes foi marcada para a próxima quinta-feira (28), visando tratar do assunto.

O objetivo da Ocupação Mirabal até maio de 2018 é promover eventos abertos para a comunidade e acolher mais mulheres que sofrem violência doméstica e encontram-se em situação de vulnerabilidade social. Após a reintegração, Andressa comentou que as atividades serão mantidas no próximo local, para que o centro de referência continue funcionando e a rede de acolhimento seja ampliada. Nos dias 13 e 14 de outubro, ocorrerá uma oficina de auto maquiagem beneficente que custa R$ 12,00 e a entrega de 1kg de alimento não perecível, um agasalho ou material de higiene.