Preço da erva-mate volta a subir em 2019

A expectativa é de que aconteça reajuste de preço nos próximos meses, aumentando o valor da mercadoria, com o reequilíbrio entre oferta e procura

  • Por: Isabella Britto Schmitt ( 3º semestre), Maria Eduarda Rocha (3º semestre) | Foto: Isabella Britto Schmitt (3º semestre) | 09/05/2019 | 0

Um dos principais produtos da cultura gaúcha, a erva-mate deve chegar ao chimarrão diário dos gaúchos com preço um pouco mais elevado. Após passar por um período de quatro anos consecutivos, de 2013 a 2017, em constante aumento, a erva-mate teve um período de desvalorização no seu custo em 2018, desanimando os produtores.

“Em outubro de 2013, o valor da erva-mate começou a subir muito e chegou a R$  12 o quilo no fim de 2017. Nesse período, o preço era maior do que agora”, diz Everson Vieira, coordenador do Núcleo de Pesquisa Econômica Aplicada do IEPE-UFRGS. Agora, no primeiro trimestre de 2019, houve um aumento do preço do produto, mas ainda assim com preço menor se comparado ao período de 2013 a 2017 que giravam em torno de R$ 8 a R$15.

A alteração no valor de venda da erva-mate entre 2013 a 2017 ocorreu por dois motivos: redução da área de cultivo e crescimento nas exportações para países como Argentina, Chile, Síria e Uruguai. Isso reduziu a oferta de produto, colocando o valor da erva-mate nas alturas. Com a valorização, muitos agricultores passaram a investir na plantação, o que aumentou a produção e provocou a desvalorização no preço entre o final de 2017 e início de 2018.

Com uma maior produtividade, a oferta aumentou para a indústria, consequentemente,  o preço caiu para o consumidor. A baixa do valor agradou ao público, mas prejudicou os agricultores que abandonaram o cultivo e migrar para outras culturas do estado.

Outro aspecto que contribui hoje para esse aumento no produto encontrado no mercado é a crise econômica. Com o poder aquisitivo menor, a tendência é as pessoas priorizarem outros produtos e tirarem a erva-mate da lista de compras. Segundo Álvaro Pompermayer, presidente do Sindicato da Indústria do Mate do Estado do Rio Grande do Sul (Sindimate), a estima-se que o valor da erva-mate aumente. No entanto, isso deve ser visto como um equilíbrio no preço de produção, que já sofreu com a baixa em 2018. Ele ressalta que a chegada do inverno contribui para a oferta mais vantajosa para o consumidor: “Agora vamos entrar na safra de inverno, que oferece uma boa oferta de matéria prima, ela também tem o aumento de consumo em virtude do clima mais frio, mas é algo mais equilibrado”.