Prêmio Lutzenberger de Jornalismo Ambiental premia produções universitárias

  • Por: Eduarda Endler Lopes (3º semestre) | Foto: Juliana Baratojo (4º semestre) | 07/08/2015 | 0

Na imagem de destaque, Daniel Fleisher, analista de Relações Institucionais da Braskem

A 2º Edição do Prêmio Lutzenberger de Jornalismo Ambiental ampliou a possibilidade de premiação na categoria Prêmio Braskem de Jornalismo Universitário, dedicada a destacar estudantes do curso de Jornalismo em qualquer fase da graduação. Agora, o segundo lugar também será agraciado e o período para publicação das matérias a serem inscritas é até 30 de agosto. O prazo de inscrição se encerra em 31 de agosto. O prêmio tem o objetivo de estimular o desenvolvimento de matérias com temática ambiental.

O analista de Relações Institucionais da Braskem, Daniel Fleisher, salienta a importância de debater assuntos sobre ambiente no jornalismo atual. “O que todos nós, seres humanos, queremos é um planeta cada vez melhor. Então, o papel da imprensa é sempre fazer com que as pessoas percebam a importância de tudo”, afirma. Além disso, Fleischer destaca que é preciso fazer com que as pessoas se preocupem mais com as próprias ações: “Ela não é apenas de governos, de empresas ou de instituições de ensino, a responsabilidade é de todos nós, seres humanos, que fazemos a vida, que fazemos o cotidiano da nossa vida”.

Para debater jornalismo ambiental, acontece no sábado, dia 8 de agosto, uma mesa redonda, que colocará o jornalismo de meio ambiente, impacto e a relação da academia com o mercado de trabalho em questão. Fleischer, que fará parte da mesa, convida todos os estudantes, professores e coordenadores do curso de jornalismo a participar. Beatriz Dornelles, professora da Famecos, também fará parte da mesa. O evento ocorre das 10h30min às 12h, no Associação Riograndense de Imprensa (ARI), edifício Alberto André, na rua Borges de Medeiros, 915, 8º andar, Porto Alegre. Os participantes e ouvintes receberão certificado.

Um dos requisitos para as premiações gerais do Prêmio Lutzenberger de Jornalismo Ambiental é que a reportagem, produzida para mídia impressa, rádio, televisão ou web, trate de iniciativas bem-sucedidas sobre preservação e saneamento ambiental, desenvolvidas no Rio Grande do Sul, como tratamento de água e dos esgotos, gestão dos recursos hídricos, das águas pluviais e dos resíduos sólidos, drenagem e tecnologias limpas, reciclagem, entre outras formas de tratar do assunto, envolvendo empresas ou entidades. Apesar de estarem ligadas à temática ambiental, o que mais se vê na mídia são denúncias. Conforme o analista de Relações Institucionais da Braskem, há muitas pessoas, empresas e instituições que merecem destaque por suas ações de sustentabilidade e de temática ambiental.

Fleischer afirma que o prêmio busca incentivar os estudantes a procurarem mais espaço para publicar matérias, elaborando pautas com a temática ambiental. “Esse é nosso grande objetivo: fazer com que os estudantes procurem assuntos, para que possam participar do prêmio de jornalismo ambiental e concorrer”, conta. Ex-estudante de Publicidade da Famecos, Fleischer diz que gostaria de ver a faculdade ganhar o concurso, pois, além do estudante ser premiado, a instituição que tiver mais trabalhos inscritos ganha um troféu.

Um fato atual, destacado pelo responsável pelo analista da Braskem, é que hoje nenhum executivo pensa em uma empresa que não seja sustentável, devido à preocupação e o respeito ao meio ambiente. A Braskem, por exemplo, investe em uma Estação Ambiental, localizada no cinturão verde do Pólo Petroquímico de Triunfo, em que há um monitoramento local pela Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul. Devido ao trabalho científico realizado, surgiu o livro Habitantes da Estação Ambiental, lançado na feira do livro de Porto Alegre de 2014, que registra o monitoramento de 24 anos da estação, tratando de espécies testemunhas da convivência em harmonia do desenvolvimento econômico do local com a fauna e a flora.

Para o Prêmio Braskem de Jornalismo Universitário, os troféus foram confeccionados em plásticos reciclados a partir da criação do artista plástico gaúcho Mauro Fuke. Fleischer destaca que o troféu pesa 1,5 kg, o que equivale a 500 sacolas plásticas, sendo um diferencial para quem for premiado, isto é, um objeto que nasceu do aproveitamento. Além do troféu, há a premiação de R$ 1.000,00 para o primeiro lugar e R$ 500,00 para o segundo lugar. O terceiro colocado receberá menção honrosa. O publicitário ressalta que os participantes premiados ganham destaque na carreira profissional, pois o prêmio agrega valor ao currículo.

A categoria Prêmio Braskem de Jornalismo Universitário  estendeu o período para publicação das reportagens até 30 de agosto em veículos da universidade, com supervisão de professor. As inscrições devem ser feitas no site , até às 18h do dia 31 de agosto. Cada estudante pode concorrer com até três trabalhos.