Preparativos para a Greve Geral do dia 30 de junho

Paralisações e manifestações estão programadas para essa sexta-feira.

  • Por: Letícia Santos (1º semestre) | Foto: Camila Lara (4º semestre) | 29/06/2017 | 0

34598159202_60e382b668_o

 

Esta sexta-feira (30/6)  deve ser marcada por mais uma greve geral pelo país todo. Reivindicando o cancelamento dos projetos da Reforma Trabalhista e da Previdência, as das centrais sindicais voltam a se mobilizar. A paralisação que foi anunciada com 25 dias de antecedência apresentou em seu período convocatório divisões de opinião dentro do próprio meio sindical, pondo em questão se seu efeito será tão impactante quanto foi o da greve geral do dia 28 de abril.

O Editorial J entrou em contato com alguns órgãos públicos e sindicais para apresentar um panorama sobre o que é esperado para esse último dia do mês de junho. Entre as categorias que planejam paralisar, estão os rodoviários intermunicipais, bancários, metroviários, funcionários de escolas estaduais e municipais.

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) garante que estará atenta à movimentação da cidade durante todo o dia para pôr em prática planos de ação a fim de organizar o trânsito. Segundo a empresa, até a tarde de quinta-feira, não foi comunicada oficialmente de nenhuma manifestação. Entretanto, algumas centrais sindicais já determinaram lugares e horários de seus atos públicos.

O trânsito pelo Estado deve ser atingido pelas manifestações do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários Intermunicipais, Interestaduais, Turismo e Fretamento do Rio Grande do Sul (Sindirodosul). Na Capital, o sindicato planeja realizar uma caminhada na parte inicial da manhã, das 5 às 6 horas, pela Avenida Farrapos.

Já os transportes públicos que circulam dentro de Porto Alegre tiveram como resposta o pronunciamento do Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre que declarou, logo na tarde de terça feira (27/06), sua decisão de não aderir à greve do dia 30 de junho. Apesar do posicionamento, não há como garantir que o deslocamento seguirá sua rotina, pois os manifestantes pretendem bloquear a saída de ônibus das garagens de empresas ainda na madrugada.

Os metroviários, através do Sindimetrô, decidiram em assembleia que não haverá atividades dos trens a partir da meia-noite. A Trensurb, no entanto, declara que está tomando providências para garantir a manutenção dos serviços. Mesmo com medidas judiciais que a empresa já está adotando, os funcionários distribuíram na manhã desta quinta-feira (29/06) uma carta-aberta avisando aos usuários do transporte que haverá uma paralisação de 24 horas na sexta-feira.

O Sindicato dos Municipários de Porto Alegre declarou, após uma reunião no dia 28, que a adesão da categoria à greve geral terá também como motivação o descontentamento com as medidas do prefeito Nelson Marchezan Jr. Está planejada para as 9 horas de sexta-feira uma manifestação em frente a Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

A rede de ensino pública poderá ser afetada pela paralisação do Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul (CPERS) que afirmou que em todas as suas 42 unidades sindicais acontecerão manifestações. O sindicato não é capaz de garantir quantas escolas irão aderir à greve. A participação da categoria deve se fazer presente em atos públicos acontecerão com demais centrais sindicais, principalmente, no centro da capital.

A rede particular das escolas foi orientada pelo Sindicato das Escolas Particulares (Sinepe) a avaliar as condições individual de cada instituição. Se os responsáveis de cada colégio, devido à carência de transporte ou segurança, sentirem necessidade de transformar as atividades do dia 30 como facultativas, têm a liberdade para essa decisão.

O Sindicato dos Bancários decidiu pela adesão à greve em votação unânime em assembleia. Agências bancárias por todo Estado não estarão funcionando nesta sexta-feira. O sindicato ainda garantiu que realizará no decorrer do dia atos públicos no centro de Porto Alegre.

O comércio da Capital foi instruído pelo Sindilojas a funcionar normalmente, aconselhando apenas que os comerciantes fiquem atentos com a proximidade dos estabelecimentos. Já o Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre (Sindec) orientou que os trabalhadores evitassem o trânsito e afirmou que estará presente em atos junto à Força Sindical do Rio Grande do Sul. À partir das 6 horas, está marcada uma concentração dessas e de outras centrais sindicais na estação Cairú. O ato deve seguir pelo entorno da rodoviária, até se dirigirem para o Centro Histórico.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), assim como Força Sindical do RS, espera que a adesão à greve geral seja semelhante à anterior. Manifestações contra as reformas que irão afetar os trabalhadores devem ocorrer em todos os períodos do dia 30 de junho, tendo como foco lugares movimentados como a área central de Porto Alegre.