Prevenção é a melhor forma de combater câncer de próstata

Novembro Azul chama a atenção para prevenção da saúde do homem

  • Por: Manoela Neto (1º semestre) | Foto: Divulgação/SMS | 01/12/2018 | 0

O câncer de próstata no Brasil atinge mais de 68 mil casos por ano, conforme estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Isto é, um a cada seis homens no país poderá ter câncer na sua vida. O percentual de homens que vieram a óbito são de 25%, sendo que 15% são por falta de prevenção, alerta o presidente da seção gaúcha da Sociedade Brasileira de Urologia, médico Alexandre Fornari.

A campanha Novembro Azul visa incentivar a prevenção em todas as áreas. Quanto às ações de prevenção ao câncer de próstata, Alexandre Fornari explicou que hoje “não se faz mais exames de toque, como antigamente. Hoje se faz uma consulta médica para se descobrir se há algum problema, quando se faz muitas perguntas e depois exames”. As ações de prevenção como a consulta são as mais eficiente para o combate da doença.

Durante o Novembro Azul, mais de 200 profissionais da saúde ofereceram a primeira consulta de graça em várias cidades do país, incluindo Porto Alegre. Os pacientes podiam escolher entre as especialidades das áreas de Urologia, Psiquiatria, Psicologia, Cardiologia, Ortopedia e Oftalmologia. Apesar da iniciativa facilitar o primeiro contato do paciente com o médico, o presidente da seção gaúcha da Sociedade Brasileira de Urologia, médico Alexandre Fornari, não a apoia. “Quem vai nessas consultas, geralmente não tem condições e nem plano de saúde para pagar os exames”, justifica.

A dieta rica em gordura animal, mesmo não sendo 100% comprovada, é um dos fatores mais citados como motivo para quadro tão significativo de casos da doença no país. No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma) e 140 municípios gaúchos já tem o câncer como principal causa de morte entre homens e mulheres. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) fez uma estimativa para 2018, verificando a incidência por 100 mil habitantes, segundo sexo e localização. No estado do Rio Grande do Sul, poderá haver mais de 6.000 casos de câncer de próstata, com uma taxa bruta de 111,50%. Em Porto Alegre, uma estimativa de 890 novos casos, uma taxa bruta de 127,96%.