Protesto contra Planalto e corrupção supera ato de aliados de Dilma na Capital

  • Por: Annie Castro(2º semestre) | Foto: Yanlin Costa(5º semestre) | 16/03/2015 | 0

Desde as 14h de domingo (15/03), as cores verde e amarelo inundaram o Parcão (Parque Moinhos de Vento), em Porto Alegre. O número de manifestantes foi estimado em 25 mil pessoas, segundo os organizadores do evento, e em 100 mil conforme a Brigada Militar (BM). Comparado com o ato de quinta-feira, liderado por aliados do Palácio do Planalto e que reuniu 10 mil, de acordo com os organizadores, e 4 mil, na contabilidade da BM, a mobilização de domingo indicou a predominância de um clima crítico ao governo federal na Capital.

O grupo pintou as ruas com as cores da pátria em direção à Redenção (Parque Farroupilha), em um trajeto que percorreu um itinerário passando pela Goethe, Mariante, Vasco da Gama, Sarmento Leite, Oswaldo Aranha e retornando ao Parcão. O evento foi criado por redes sociais pedindo o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, mas a população acabou indo às ruas para se manifestar principalmente contra as decisões do governo atual e a corrupção. Conforme o instituto de pesquisa Index, o que levou a população às ruas foi, primeiramente, o desejo de mudança no país (40%) e, em segundo lugar, a corrupção (10%).

Leia também: Aliados se adiantam a protesto contra Dilma

Segundo a professora aposentada Lorena Görgeen, 55 anos, o que a estimulou a ir protestar foi o mensalão (escândalo de pagamento de propinas em troca de apoio), as denúncias sobre desvios de recursos da Petrobras, os impostos e alta no preço do combustível. “Estou cansada dessa corrupção. O exemplo tinha que vir de cima e quem tem que dar o exemplo para o povo e para toda a nação é quem mais está roubando nesse momento”, afirmou.

Em geral, a manifestação ocorreu de forma pacífica. Porém, a equipe do Editorial J presenciou alguns casos isolados de agressividade e intolerância. Em um deles, pessoas usando roupas vermelhas ou portando símbolos partidários, que cruzavam pelo percurso do protesto, eram ofendidas e insultadas pelos manifestantes. Em outro, uma mulher que se mostrava a favor da volta da ditadura foi retirada do local pela BM. “Aqui é democracia!”, exclamou uma manifestante que presenciou a cena.

Os organizadores marcaram uma nova manifestação a favor do impeachment, para o dia 12 de abril.16811291396_944d274089_z