protesto 20.06.2013 porto alegre foto: Gabriela Cavalheiro

Protestos são “esquenta” para greve geral

Atos indicam rejeição aos projetos que alteram direitos trabalhistas

  • Por: Eduardo de Bem (2º sem.) | 25/09/2016 | 0
Foto: Gabriela Cavalheiro

O Dia Nacional de Paralisação e Mobilização, que levou trabalhadores às principais vias de acesso a Porto Alegre, nas primeiras horas de quinta-feira (22/9), foi uma preparação para a greve geral, cuja data será anunciada nos próximos dias, explicaram representantes das centrais sindicais. Em várias capitais do País, ocorreram atos públicos convocados pelas centrais e organizações que compõem as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, protestando contra as propostas do Governo Temer que indicam a retirada de direitos dos trabalhadores.

O movimento está alertando os trabalhadores sobre os riscos de perda de seus direitos, principalmente na área da previdência social. Em Porto Alegre, João Marcelo Pereira dos Santos, assessor da Central Única de Trabalhadores do Rio Grande do Sul, explicou que foi utilizado apenas o diálogo como forma de convencimento, para garantir as manifestações de rua. Para isso, um grupo seguiu até as garagens das empresas de ônibus coletivo para discutir sobre os problemas com os rodoviários. Além disso, houve uma marcha em que as vias não eram inteiramente bloqueadas, percorrendo da Azenha até o Centro de Porto Alegre, evitando qualquer confronto com a Brigada Militar.

“Não fomos hostilizados”, comenta João Marcelo, que também criticou os meios de comunicação sobre a maneira que têm retratado o ato. “A mídia sempre tratou protestos como caso de polícia, não como movimento contra os projetos de reforma”. João Marcelo lamentou que as pessoas não acreditam mais em saídas coletivas e na política para resolver problemas sociais em uma época em que o individualismo predomina. Os sindicalistas confirmam que estão acumulando forças para uma greve geral em todo Brasil. Ainda não existe data marcada para o acontecimento.