“Queremos ter as melhores pessoas conosco”, diz Duda Melzer sobre demissões na RBS

  • Por: Roger Paz (1º semestre) | 23/06/2015 | 0

No começo da noite da última segunda feira, 22, os diretores do Grupo RBS, Eduardo Sirotsky Melzer e seu tio, antigo CEO e atual presidente do conselho de administração, Nelson Sirotsky ministraram a palestra “Descobrindo Carreiras”. Falaram sobre empreendedorismo e o mercado da comunicação nos dias de hoje. Duda e Nelson foram convidados pelo Escritório de Carreiras da Fundação Irmão José Otão (FIJO). Passaram uma hora e quarenta minutos respondendo a perguntas do público e contando detalhes sobre al fase de transição pela qual passa a maior empresa de comunicação da região sul do Brasil.

Em entrevista exclusiva após a palestra, a reportagem perguntou a Duda Melzer sobre a manutenção da produção de notícias de qualidade após o grande número de demissões na RBS em 2014. “Somos a empresa no Brasil que mais tem jornalistas na sua folha, hoje são 1,2 mil. Adoraríamos não ter que demitir ninguém, mas não me preocupo com isso. Queremos ter as melhores pessoas conosco, pensando em meritocracia e em quem pode agregar mais”, respondeu.

Nelson Sirotsky também foi questionado sobre o jornalismo como produto em meio à crise da comunicação: “O jornalismo está se transformando. E assim como na vida, a empresa está em uma constante evolução. Vejo o jornalismo na nossa época profundamente impactado pelas tecnologias, mas também vejo uma capacidade fantástica de incorporarmos essas novas tecnologias. Sempre a favor do jornalismo de qualidade, voltado à geração de informação ao público consumidor”, ponderou Sirotsky, concluindo que “de uma maneira geral, é um momento positivo”.

Ao longo do debate, Nelson Sirotsky abordou temas como o início de seu trabalho na RBS: com 17 anos e recém aprovado no vestibular da UFRGS, o então calouro de administração insistiu ao pai por um emprego na ascendente RBS. Foi encaixado em uma vaga na contabilidade, com instruções para que cobrassem mais dele do que dos outros funcionários. “A combinação entre vontade, trabalho e estudo, é imbatível”, aconselhou, relembrando sua trajetória de vida.

Quando perguntados sobre o processo de transição atual, tio e sobrinho hesitaram para responder. O moderador da palestra, Tulio Milman, chegou a fazer uma brincadeira: “Quando nenhum dos dois começa a responder por conta, é porque a pergunta está difícil.” Nelson começou a resposta falando sobre a sucessão inesperada em que se viu envolvido no momento da morte de seu pai, Maurício. Trinta anos atrás, como filho mais velho, se via responsável por levar adiante o empreendimento da família. Hoje, por outro lado, segundo Nelson, os valores compartilhados entre gerações de diretores do Grupo facilitam o processo.

Duda Melzer reforçou a resposta do antigo presidente e, ainda sobre o cargo, “É muito mais do que um trabalho. É uma causa, uma dedicação, um compromisso com a nossa família, com as pessoas da RBS. Tem uma história por trás, e tão importante quanto: tem um sonho pela frente” declarou o diretor.

Quando questionado sobre a crise que o país atravessa, Melzer se mostrou otimista quanto ao futuro da RBS. “A gente prefere que não tenha crise. Quer um país que cresça e se desenvolva. Mas uma empresa que tem 60 anos no Brasil passa por diversas crises. Essa está sendo a pior de todas. E a gente não vai desperdiçar essa crise”, afirmou.