Sebos têm cerca de dois livros roubados diariamente

Dois livros “desaparecem” quase que diariamente das lojas de sebos localizadas no Centro Histórico da Capital. Conhecidos pelo preço acessível, os sebos têm geralmente, junto à entrada, balaios com livros de R$1,00 a R$5,00. A média de duas obras roubadas por dia é constatada na Martins Livreiro e Ladeira Livros. Segundo os donos, alguns ladrões agem com tanta frequência que se tornaram conhecidos. Mauro Messina (Ladeira Livros) contou que um é identificado como “carteiro”, pois usa uma bolsa atravessada ao estilo dos entregadores dos correios.

Esses ladrões, na maioria das vezes, seguem impunes porque alguns exemplares são pequenos e cabem facilmente em bolsas e mochilas e também, porque os donos acreditam que registrar ocorrência na polícia não vai dar em nada. É claro que existem situações inesperadas. “Um dia apareceu um homem aqui, roubou um atlas e saiu correndo”, relata Ivo Alberto Almansa, proprietário do Martins Livreiro. Almansa ressalta que não existe um perfil de ladrão, pois “vão de padres a advogados”.

Outro problema comum é o exemplar roubado oferecido aos sebos. São livros furtados de bibliotecas de escolas e de faculdades e até mesmo provenientes de assaltos. “Um rapaz apareceu querendo vender obras bem raras sobre museus do Rio de Janeiro. No dia seguinte, uma senhora veio procurá-las. Ela contou que o homem era seu vizinho”, relatou Messina. Outro caso habitual é de jovens que tiveram seus livros da universidade roubados de dentro de seus carros. Normalmente esses possuem um valor de mercado mais alto que os de literatura convencional, por isso são os que mais aparecem para aquisição dos sebos.

Almansa lembrou que certa vez adquiriu a biblioteca de um professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e no meio dos inúmeros exemplares, havia três com carimbo de uma faculdade. Devido à compra destas obras de universidade, o dono da Martins Livreiro enfrentou um processo. O caso foi arquivado. O próprio Almansa já foi diversas vezes até a PUCRS para fazer a devolução de obras. Eles tentam evitar essas situações, entretanto, em compras em grande escala fica difícil conferir se há carimbo em algum dos livros. Na tentativa de evitar esse tipo de circunstância, Almansa colocou um alerta: “PREZADO CLIENTE. Caso encontrares algum carimbo no interior do livro, favor entregá-lo no balcão para a devida devolução. Obrigado!”

Os sebos estão localizados:

Martins Livreiro – Rua Riachuelo, 1291 – (51)3226-7779

Ladeira Livros – Rua General Câmara, 385 – 51)32863151

Texto e foto: Georgia Ubatuba (3º semestre)