Servidores buscarão diálogo com Marchezan

Diretora-geral do sindicato afirma que a entidade ainda não falou com o prefeito eleito no último domingo

  • Por: Italo Bertão Filho (2° sem.) | Foto: Annie Castro (5º sem.) | 31/10/2016 | 0

Marchezan

O Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) promete continuar na luta por melhores condições de trabalho durante a gestão do prefeito eleito Nelson Marchezan Júnior (PSDB), que assume o mandato em 1º de janeiro. A nova gestão do sindicato, com apoio de políticos de esquerda como Henrique Fontana, Raul Carrion e Raul Pont, tomou posse na última sexta (28) para o triênio 2016/2019.

Luciane Pereira da Silva, uma das diretoras gerais da nova gestão do sindicato, afirma que a classe continuará na luta por melhores condições de trabalho, aumento dos salários, contra as terceirizações e a PEC 247, proposta de emenda constitucional idealizada pelo presidente Michel Temer nos últimos meses que limita os gastos públicos durante 20 anos. “Nossa posição será muito firme na defesa dos trabalhadores”, explica. Marchezan votou a favor da PEC em sessão da Câmara dos Deputados que aprovou o projeto no dia 25 de outubro.

A sindicalista afirma que o Simpa ainda não teve um encontro com o prefeito sobre as questões dos municipários: “O que a gente sabe é o que a imprensa noticia”. Porém, adianta que o Simpa buscará diálogo com o prefeito eleito.

“Todos os servidores que quiserem valorização, qualificação e foco no resultado para quem mora em Porto Alegre, tenham certeza que terão um prefeito ideal no Marchezan”, afirmou o prefeito em debate no Simpa durante o primeiro turno, quando ainda era candidato.

Desde maio, a Prefeitura vem atrasando repasses a fornecedores. Em fevereiro, o prefeito José Fortunati cogitou atrasos de salários em 2016, a exemplo do que acontece com os servidores do Estado, que sofrem parcelamento de salários pelo nono mês seguido. Durante a campanha, Marchezan afirmou que a próxima gestão será marcada por dificuldades financeiras, mas não citou atraso ou parcelamento de salários.