Tarde de votações em Porto Alegre tem poucas ocorrências, mas muitas filas

Problemas de identificação da biometria atrasaram votação em mais de 70 cidades gauchas

  • Por: Manoela Neto (1º semestre) | Foto: Manuela Neves (4º semestre) | 07/10/2018 | 0

Às 17h as votações foram encerradas, e já estão sendo feitas as apurações. Para o executivo Nacional, confira a apuração.

A Polícia Civil (RS) registrou mais sete ocorrências de boca de urna, com santinhos, adesivos e panfletos na tarde deste domingo. Foram apreendidos mais de 8 mil materiais irregulares. Em Estrela, um homem (23) foi preso em flagrante por transporte irregular de eleitores. A Brigada Militar (RS) registrou 101 prisões por crimes como boca de urna e divulgação de propaganda. O candidato a deputado estadual Gilso Sarmento Motoboy (PV) foi detido em Portão por boca de urna.

O Comandante-geral da Brigada Militar (RS), Cel. Mário Ikeda, comenta que essa eleição apresenta menos casos de boca de urna e presença de santinhos nas calçadas. No entanto, problemas de identificação da biometria acabaram causando fila em mais de 70 cidades gauchas.

No Rio Grande do Sul, de acordo com os eleitores, a situação é melhor que em anos anteriores do ponto de vista da sujeira. A maior parte das ruas adjacentes a zonas eleitorais não tinham panfletos jogados no chão. O movimento também foi menor. O Parcão, por exemplo, teve poucos manifestantes, apenas movimento de um domingo normal. As votações realizadas nos estabelecimentos prisionais do Estado também ocorreram normalmente.

Em outros estados

Às 14h deste domingo, um homem de 25 anos levou uma marreta e destruiu uma urna em uma seção eleitoral no bairro Graziela, no Morro da Fumaça, sul de Santa Catarina. Ele foi contido por pessoas até a chegada da Policia Militar ao local. Segundo a chefe do cartório responsável pela região, a 34ª Zona Eleitoral, Isabel Anacleto Placido, as mídias onde ficam computados os votos não foram afetadas.

Os cariocas enfrentaram dificuldades e atrasos para votar, um dos motivos foi uma tentativa de se cadastrar eleitores pela biometria no momento do voto, o que fez triplicar o tempo de espera. O caso graves aconteceu na Univeritas, do Instituto Benett, no Flamengo, onde os quatro elevadores não estavam funcionando durante a maior parte do dia, impossibilitando idosos e pessoas com problemas de locomoção de chegaram a uma das 20 seções eleitorais, algumas instaladas no quarto andar do prédio.

“Eu queria votar, mas não está dando, porque não posso subir a escada, não tem elevador. Eu me sinto chateada, mas o que vou fazer? Sempre votei. Sempre. Mas desta vez não deu”, lamentou a aposentada Maria de Lourdes da Silva Feitosa, de 93 anos. (Entrevista à Agência Brasil).

Nas redes

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está investigando o caso do vídeo em que um eleitor identificado como simpatizante de Jair Bolsonaro (PSL) aparece votando com uma arma. pic.twitter.com/gn5kDUfxUZ .Outro caso em investigação é uma foto postada no Instagram de outro eleitor, Manoel Delci, que afirma que a foto não foi tirada por ele, e sim recebida via WhatsApp (leia entrevista).

 

Com Agência Brasil