“Por todas elas” exige medidas contra estupro de mulheres no país

Militantes organizam manifestações em Porto Alegre para dar visibilidade à luta contra violência que atinge a mulher

  • Por: Mia Sodré (1º sem.) | 31/05/2016 | 0

“Por todas elas” é a manifestação que vai reunir, nessa quarta-feira, 1º de junho, na Esquina Democrática, no Centro Histórico de Porto Alegre, mulheres e homens que protestam contra o estupro coletivo que uma adolescente do Rio de Janeiro foi vítima na semana passada.

O ato, marcado para às 17 horas, ocorrerá em outras capitais do Brasil, incluindo Rio de Janeiro, São Paulo e Recife. As adesões na internet já estavam em 10 mil presenças confirmadas até essa terça (31).

Outra manifestação contra a chamada Cultura do Estupro está prevista para o Parque Farroupilha, no sábado (4 de junho), às 15h, organizado por um grupo de estudantes, como a universitária Luísa Bossle. Indignada com o que aconteceu, ela e outras jovens decidiram convocar o ato porque “fiquei muito angustiada com a situação, me coloquei no lugar da menina e de todas as mulheres que sofrem nas mãos de homens que se sentem superiores. Pensei que isso poderia acontecer com qualquer uma de nós, então, achei melhor ir para rua, fazer barulho e obrigar as pessoas a entende”. Ela temia que não desse certo, mas com apoio recebido o evento já tinha mil adesões na terça (31).

As organizadoras dos eventos instruem às manifestantes a não levarem bandeiras políticas e a terem cuidado para que não os atos não se tornem violentos, já que haverá a presença de crianças com suas mães.

O estupro coletivo ocorrido no Rio de Janeiro já mobilizou mulheres porto-alegrenses que organizaram manifestações contra a cultura do estupro em Porto Alegre, no domingo, dia 29, na Casa de Cultura Mario Quintana. O objetivo das manifestações, de acordo com os eventos no facebook, é conseguir pena máxima para estupradores e mobilizar e conscientizar as pessoas acerca da cultura do estupro e da violência contra a mulher.