Na youPIX, virtual pauta o real e vice-versa

A bermuda e os chinelos de Brad Kim mostram uma despreocupação total com a aparência. Não fosse o editor do Know Your Meme um dos palestrantes da youPIX Porto Alegre, o fato teria passado despercebido aos olhos de qualquer um. No entanto, ele não é uma exceção. O estilo é comum entre quem vive no mundo da internet 24 horas por dia, pois a reputação é baseada nas façanhas on-line.

Confira também: 
Boneco Marcelinho pode parar na televisão
Já fiz jornalismo com humor, agora faço apenas humor, diz Rafinha Bastos
A MTV não será vendida, diz PC Siqueira

A cultura dos memes é um dos pontos que pode fortalecer este argumento. O norte-americano sustenta que é complicado definir o tamanho da influência do off-line, frente às situações que envolvem conteúdos virais, que crescem a cada dia. O Know Your Meme, administrado por Kim, é considerado uma verdadeira enciclopédia do mundo virtual. A audiência mensal chega a 9,5 milhões de visitantes. Ele cita um cenário no qual a internet beneficia o que acontece fora dela. “O consenso prega que a cultura da internet é um câncer. Mas pensando de uma maneira mais realista eu acredito que coisas como os memes podem ser muito boas, principalmente quando pensamos em benefícios comerciais”, opina o convidado do segundo dia da youPIX, o maior festival de cultura digital do Brasil.

O visual de uma das curadoras do evento que aconteceu na ESPM-Sul, nos dias 17 e 18 de agosto, é mais trabalhado. Bia Granja prefere os sapatos aos chinelos. Apesar da quantidade de pulseiras que mostram uma preocupação com o visual, ela apresenta uma reflexão na qual a web serve como guia para a sociedade atual . “Vivemos conectados. Existe uma linha muito tênue entre o online e o off-line”, observa.

Sem dúvida, o mundo real pauta o que acontece na websfera. Esta é a visão do publicitário Diego Fabris, co-fundador do Destemperados, um blog de gastronomia. Vestido de maneira casual, ele defende a experiência da vida além do monitor. “Nosso conteúdo é gerado através de experiências da vida real. Você não pode comer via online. Porém, em muitos casos, o conteúdo é gerado a partir de experiências feitas na própria internet. Acho que isso tira a originalidade”, declara.

Quando fala-se na necessidade de conexão, Maurício Cid, fundador do Não Salvo, uma página que reúne conteúdo humorístico, é um exemplo de como a grande rede de computadores dita hábitos diários. Acordar conectado é prática diária, segundo ele. Cid mora com seus dois sócios em um apartamento que também funciona como escritório. Porém, ele pensa em um perfil tecnológico que se veste com a elegância de Bia Granja, mas calça os chinelos de Brad Kim. “A internet pauta a realidade e a realidade pauta a internet”.

Texto: Pedro Henrique Tavares (7º semestre)
Foto: Gabriela Cavalheiro (4º semestre)

1 comentário

Deixe um comentário